TAG: Liebster award - Descobrindo novos blogs

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

 Tinha planeado fazer uma pequena publicação a falar do quão maravilho e mágico foi o meu Natal e, entretanto, fui nomeada pela Simple Girl do blog Um Refúgio para a Vida para esta TAG que visa dar a conhecer um pouco mais de casa blogger!
 
Regras:
- Escrever 11 factos sobre vocês;
- Responder às perguntas de quem nomeou;
- Indicar entre 11 e 20 blogs com menos de 200 seguidores;
- Fazer 11 perguntas para quem indicarmos;
- Colocar o selo da TAG;
- Mencionar quem nomeou.

11 factos sobre mim:
  1. Adoro correr, mesmo sem música, simplesmente adoro dar uma corrida a apreciar o ambiente;
  2. Não sou grande apreciadora de doces! Aliás, só há dois que como quando há;
  3. Sou extremamente nervosa e tenho medo do poder do nervosismo;
  4. A minha cor favorita é o Amarelo, embora raramente a use;
  5. Sou louca por filmes de animação, principalmente, pelos clássicos;
  6. Adorava ser vegetariana, mas não consigo, por um lado, por causa da saúde e, por outro, porque adoroooooooooo peixe;
  7. Pinto o cabelo com reflexos vermelhos, porque a minha mãe não me deixa pintar completamente o cabelo de vermelho;
  8. Troco dia sim dia não de casa, uma vez que os meus pais são divorciados e essa foi a «melhor» solução;
  9. Às vezes, julgo-me demasiado independente, o que nem sempre é bom;
  10. As pessoas dizem que cheiro «a Alforreca»;
  11. Um dos meus momentos favoritos da semana é quando vou passar a sexta à noite a casa dos meus vizinhos.
Perguntas da Simple Girl:

1. Qual o momento mais marcante deste Natal?
 Sem dúvida, quando o meu tio mais novo, que se casou recentemente, disse que ia ser pai. Fiquei tão feliz, até me vieram as lágrimas aos olhos. 10º primito!!!

2. Qual foi a prenda que mais gostaste de receber este Natal?
 Bem, o casaco do meu avô, uma eterna recordação que antes era só memória e agora um pouco mais concreta.

3. Qual foi a prenda que mais gostaste de dar?
 Há duas prendas que adorei dar, como são iguais, refiro-as às duas: Ofereci aos primos que têm a minha idade emblemas para porem nas capas e uma carta a cada um. Ver as caras felizes deles quando abriram as cartas encheu-me o coração, completamente.

4. O que gostavas de fazer antes do ano acabar?
 Gostava de ver uma última vez o mar...

5. Como defines o ano de 2015?
 Um ano de recuperação física e psicológica, um ano de confrontos positivos com as amizades das pessoas para comigo.

6. Gostavas de mudar alguma coisa que tenha acontecido durante este ano?
 Algumas discussões completamente desnecessárias, pois, de resto, foi tudo uma aprendizagem.

7. Fofinha! Esqueceste-te da pergunta 7.

8. Quais os melhores momentos de 2015?
 O Festival Vodafone Paredes De Coura, o Casamento do meu tio, o Natal, o meu Aniversário e o da minha Mamã, a entrada para a Universidade, o receber as notas dos exames.

9. Quais os piores momentos de 2015?
 O definhar repentino da saúde do meu avô, a dúvida permanente do meu pai em relação à minha saúde, o separar-me do meu primeiro grupo de amigos a sério...

10. Qual a melhor coisa que podia acontecer no primeiro minuto de 2016?
 Sinceramente, a única coisa que eu quero é passar o ano aconchegadinha na minha mãe e ver o fogo de artifício logo a seguir! Se isso acontecer, ficarei mesmo muito feliz.

11. O que pretendes alcançar em 2016?
 Aos poucos se conseguem grandes feitos. Primeiro, quero terminar o 1º semestre com excelentes notas, passar no exame de condução sem medos, terminar o 2º semestre, levar a praxe até ao fim, manter contacto com os meus amigos do ano passado, aproveitar ainda mais a companhia da minha família.

Blogs nomeados: (Vou nomear pouquinhos, apenas os que gostava mesmo de ver responder a esta TAG)
  1. Ella do blog Ela Entre Eles
  2. Rita do blog Sem Tempo
  3. Ju do blog Naïve
  4. Kiara do blog Não sei mas acho que sei lá
  5. Catarina do blog Apenas a Lua
  6. Diana Machado do blog Entrelaçando
Quantos às perguntas, vou deixar prosseguir as que me foram feitas, pois acho que são mesmo boas perguntas.
Espero que não tenha desiludido ninguém com as minhas respostas e factos.
Bem, boa sorte às meninas que nomeei!
Até amanhã alforrecazitas!

Menos de 5 horas!

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Prenda da Ana Rita para mim!!!
 Falta tão pouco tempo para começar a algazarra, o convívio, o reencontro, a felicidade, as barrigas cheias, a alegria, a cumplicidade, a compaixão. Amanhã é dos poucos dias do ano em que quase toda a população está satisfeita e esquece um pouco os seus problemas e aproveita ao máximo.
 A única coisa que me deixa mesmo triste são as pessoas que não têm a felicidade de celebrar o Natal como nós estamos tão habituados devido à extrema pobreza em que vivem. Quando for maior, vou participar numa daquelas campanhas solidárias de alimentar quem não tem como pagar no dia de Natal, porque, a meu ver, toda a gente devia poder sentir a tranquilidade que esta época traz! 
 De qualquer das formas, e tentando um discurso mais animado, a Ana Rita mandou-me uma mensagem com a prenda que me enviaria se soubesse onde moro. Posso dizer que esta prenda me encheu o coração! Tão simples e tão eu. Adoro amarelo, para começar, e o gesto amoroso que demonstrou é simplesmente de ficar derretida. Obrigada AMIGA, do fundo do meu coração!

E FELIZ NATAL PARA TODA A GENTE!

Prendas de Natal

domingo, 20 de dezembro de 2015

 Desde pequenina que nunca pedi nada em concreto aos meus pais ou à minha família. Sempre que alguém me perguntava o que queria eu para o Natal, eu respondia «Quero estar com a minha família toda!» Na verdade, para mim, o melhor desta época é o convívio, o amor, a amizade, os sorrisos, os abraços, a chávena de chá na mão, enroscada no sofá debaixo da manta com a cabeça pousada no ombro da minha avó.
 Contudo, desde que os meus primos mais novos nasceram que tudo se tornou numa corrida aos melhores brinquedos, às melhores tecnologias e às marcas exorbitantes, análogas aos preços, claro. Não diria que somos uma família consumista, pois, durante o ano, somos todos bastante conservadores e discretos, alguns digo, porém, no Natal, a minha família fica doida.
 Isto entristece-me, porque, chegando a hora de trocar prendas, vejo a cara da minha irmã, triste por ver os primos receberem 10 brinquedos e não darem valor a isso. Não é sequer uma questão de querer os brinquedos que eles recebem, é simplesmente o facto de não valorizarem. É, de facto, cansativo, principalmente quando, a meu ver, se queremos dar uma prenda, deve ser algo simbólico e que realmente faça as pessoas perceberem que pensámos nelas.
 Gosto do Natal na medida em que estamos todos juntos, à volta da mesa, sentados nos sofás, a correr pela casa, a partilhar casacos e agasalhos, a contar e a criar momentos hilariantes. Adoro a alegria que as pessoas vestem nestes dois dias e a forma como a espalham. E essas, para mim, são as melhores prendas.
 Espero-te ansiosamente Natal.

Christmas TAG

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

 Nomeada pela querida TheNotSoGirlyGirl para responder a estas pequenas e cheias de mistério por trás, decidi aderir e explorar o que daqui sai. As perguntas são apenas dez, tanto dá para serem concisos como para recordarem momentos que vos fazem realmente felizes, por isso, nomeio toda a gente e mais alguma para participar, sendo um requisito da TAG usarem o padrão que a TheNotSoGirlyGirl criou, além disso, tanto podem responder em inglês como em português!

 1. Se pudesses passar a noite de Natal com alguém, quem seria? / If you could spend Christmas Eve with anyone, who would it be?
 Não sei se tem de ser alguém famoso, contudo, sei bem a resposta a esta pergunta, para mim, o melhor era passá-lo com o meu avô materno. É a primeira vez que não vai ser possível, vou apenas visitá-lo e isso deixa-me completamente desolada. Simplesmente adorava o discurso dele, era um homem cheio de conhecimento e princípios, agora usa fralda outra vez e não me reconhece. Eu só pedia mais uma véspera de Natal com ele.


 2. Qual o presente mais estranho que já recebeste? / What's the weirdest gift you've ever received?
 Um kit de maquilhagem. Pensei que seria mesmo difícil responder a esta pergunta, mas não foi. Não sou miúda de me pintar e toda a minha família sabe isso, contudo, a minha própria madrinha decidiu que aquilo que a recordava de mim era um kit enorme e super caro de maquilhagem! Tristemente, por ser a prenda dela, tive de trocar...


 3. Abres os presentes na noite de Natal ou esperas pela manhã? / Do you open the presents on Christmas Eve or wait until Christmas Morning?
 Esta é, para mim, uma pergunta rasteira, uma vez que com a minha mummy criámos uma tradição. Abrimos sempre os mimos que temos para dar umas às outras no dia 23. Por isso, na véspera da noite de Natal, eu, a minha mummy e a minha mana fazemos o nosso próprio Natal. Contudo, em família, costumo abrir as prendas no dia 24 e acabo de receber os miminhos no 25 de manhã!


 4. Qual é/são a(s) tua(s) música(s) de Natal favorita(a)? / What's your all time favourite Christmas song(s)?
 Acho que não tenho, pois, gosto realmente de todas as músicas de Natal. Como tom de toque tenho a música Christmas is all around me do filme Love Actually (filme predilecto de Natal).


 5. Qual a tua guloseima/doce de Natal favorita? / What's your favourite Christmas treat?
 Não sou muito de doces... Sei que é estranho ouvir isto, mas é mesmo verdade! Prefiro mil vezes comer duas vezes bacalhau ou polvo, adoro a roupa velha no dia 25, aprecio imenso a enormidade de fruta que é servida. De qualquer forma, se tivesse de escolher um pequenino prazer, seriam os ferrero rocher ou os frutos do mar da guylian que, basicamente, só como nesta altura.


 6. O que comes normalmente na noite de Natal? E no dia? / What do you usually eat on Christmas eve? And on Christmas day?
 Como referi na 5, costumo comer os tradicionais pratos de Natal, que deixam a casa com um cheirinho reconfortante e uma sensação de alegria e calma enorme. A minha avó e a minha «avódrasta» tem especial cuidado em fazer montes de couvinhas e saladinhas para eu poder acompanhar os pratos.


 7. Quais são as tuas bebidas de Natal favoritas? Com álcool (caso tenhas idade!!!) ou sem. / What are your favourite Christmas drinks? Alcoholic (if you are allowed to drink!!!) or non-Alcoholic.
 Sou grande apologista da água, em qualquer situação, não costumo beber outra coisa. Contudo, no Natal aprecio imenso o copo de vinho a acompanhar, o abanar do copo e o cheirar antes de dar um golinho. Gosto também de beber whisky que, por vezes, o meu avô se oferece para beber comigo, um pequenino copo num momento de cumplicidade em que os sorrisos que trocamos e os olhares dizem mais do que qualquer outra coisa.


 8. Do you go to church on Christmas Eve? / Vais à igreja na Véspera de Natal?
 Normalmente, não. Não me considero praticante da religião. Porém, quando passava o Natal em casa dos meus avós maternos, a minha tia obrigava-me a ir, o que me fez gostar menos dessa parte do Natal.


 9. A tua família tem alguma tradição peculiar de Natal? / Does your family has any peculiar tradition around Christmas?
 Como já disse, temos o nosso próprio Natal com a minha mãe, longe daquele consumismo que se passa muitas vezes na minha família paterna em relação às prendas. Os meus tios dão tudo aos filhos e, essa parte do Natal, passou a ser uma competição entre eles a ver quem dá as melhores prendas, o que me entristecia muito a mim e à minha mana, uma vez que gostamos mesmo do Natal pelo que representa e não pelo que recebemos, além disso, tendo os pais divorciados, não nos podemos dar a certos luxos e, muitas vezes, ouvíamos comentários completamente desnecessários perante a pequena quantidade de presentes que recebíamos. Pois agora não recebemos nenhum e a minha família teve que o aceitar.
 Além disto, a minha avó paterna faz anos no dia 25, por isso, o almoço neste dia é um misturar das duas celebrações, o que faz com que todos os 25 tenham algo tradicional e, ao mesmo tempo, fresco e novo.


 10. Qual é a tua melhor memória Natalícia? / What's your best Christmas Memory?
 Agora que ponho todos os Natais em retrospectiva, a melhor memória é de há uns anos em casa dos meus avós maternos. Eram cerca de quatro horas da tarde, o meu avô tinha acabado de acender a fogueira e veio sentar-se junto de mim, que estava entretida a ver os tradicionais filmes da Disney. Colocou os seus magrinhos braços à minha volta e aconchegou-me, viu o filme todo comigo e, no final, explicou-me a lição do filme e deu-me alguns conselhos que trago comigo para a vida toda.


 Desculpem ter-me estendido tanto. Não estava à espera de escrever tanto, mas adoro mesmo esta época. Talvez noutro dia faça mais uma publicação sobre o significado que o Natal tem para mim.
 Obrigada pela paciência. E, obviamente, participem e deixem as vossas participações! Adoraria lê-las.

Frio, vai-te embora.

domingo, 13 de dezembro de 2015

 Não sou rapariga de muita roupa, de casacos quentes, de mantas, de golas altas, de cachecóis. Pelo contrário, gosto de usar um simples top, saias compridas, calças de ganga fina, sapatos com meias de vidro que só cobrem os dedos dos pés e o calcanhar, all stars, chinelos, camisolas finas, um chapéu de aba larga. Sou rapariga de sol, de quente. Claro que aprecio estas belas tardes aconchegada no sofá com a cabeça no ombro da minha amada mãe, contudo, podia estar pelo menos 15ºC, estou mesmo cansada deste frio.
 Além disso, nesta altura, fico com as mãos roxas e não sinto os dedos dos pés... Sim, sim, mãos frias, coração quente, contudo, um coração quente será sempre um coração quente se tiver de ser, por isso, só peço mais 5 grauzitos.
 Para vocês terem noção do frio que tenho hoje: É a primeira vez que troco uma corrida pelo conforto do quentinho de casa. É que hoje nem me atrevo a voltar a sair! E não sou de arranjar desculpas para fazer exercício.

É difícil...

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

 Arya sei que vais gostar deste vídeo.
 Retrata tudo aquilo com que uma mulher é confrontada ao longo dos anos. Achei mesmo interessante, e penso que não precisa de muita descrição! É simplesmente isto. Menos preconceitos. Há coisas mais importantes sobre o que opinar além das escolhas que a do lado faz!

Este mini mundo!

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

video 
 Nunca quis que o meu blog fosse uma coisa muito grande, pelo simples facto de partilhar aqui muita coisa bastante privada, contudo, ultimamente, tenho tido mais reacção às minhas publicações, até de pessoas que não me seguem.
 De qualquer forma, agradeço às minha pouquinhas seguidoras todo o amor que me têm mostrado, toda a compreensão e honestidade perante cada palavra que escrevo.
 Sempre que faço uma publicação fico ansiosamente à espera das vossas respostas, pois gosto mesmo de ler o que têm para me dizer!
 Um grande obrigada a todas. Espero que continuem por aqui!

Hoje é o jantar de natal de curso, estou um pouco ansiosa, tenho sempre medo destes encontros com muita gente e imensa comida e bebida... A minha cabeça nem sempre ajuda. Apesar disso, vou tentar divertir-me à grande, mereço mesmo!
Kiara, vais?

Socializando...

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

 Desde pequena que me dou bem com toda a gente e gosto de conhecer e dar oportunidade a todas as facetas das pessoas. Sempre gostei de saber mais sobre o seu comportamento e a sua forma de ser e estar.
 Além disso, tendo a estar bastante mais à vontade com pessoas mais velhas que eu do que com os da minha idade. Essa é também uma das razões pelas quais estou a gostar tanto da praxe, contacto próximo com pessoas mais velhas. Claro que também estou a adorar conhecer os meus coleguinhas.) Assim como com os realmente mais velhos que eu. Muitas vezes dou por mim completamente embebecida na sua sabedoria, nas suas histórias, na sua vida. Têm muito a dizer e pouca gente a quem contar.
A diferença não precisa de ser muita, às vezes é claro que me dou melhor com alguém com 21 ou 22 anos do que com pessoas com 18, não sei bem porquê, sempre fui assim. Gosto de ouvir a experiência adicional à minha que as pessoas têm. (
 Contudo, com isto de entrar na Universidade e conhecer pessoas novas, apercebi-me que há pessoas da minha idade e mais novas que têm experiência de vida que dava para anos e anos. Situações caricatas e únicas. Coisas que não me passariam pela cabeça quando olho para estas pessoas em questão, mas que são mesmo verdade e do outro mundo.
 Afinal, as pessoas ainda me surpreendem.

Bons momentos... e emocionais!

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

 Se não quiserem ler este textão, eu compreendo perfeitamente. 
 Quando a Kiara me disse que eu ia gostar muito dos meus praxantes, eu fiquei mais descansada, contudo, continuei de pé atrás. Agora vejo como ela tinha razão! (Já agora é mesmo estranho chamar-te assim... E já não nos vemos há muito tempo, já sinto saudades!)
 Ontem tivemos aquilo que chamaram de praxe de purificação. Foi uma das minhas favoritas. Eu e os meus 15 amigos tivemos que falar uns dos outros à vez à vez e, em seguida, dos praxantes! Admito que foi um pouco assustador, pois não era para dizer apenas coisas simpáticas, mas sim tudo o que achávamos estar mal, bem e aquilo que considerávamos ter uma solução eficaz!
 Apercebo-me agora como foi significativa, como foi importante para que o nosso «bloco» crescesse, eu sei que para alguns é apenas praxe, mas para quem passa por ela é realmente importante.
 Acabei com algumas lágrimas nos olhos, ok, talvez tenha chorado mesmo, quando disseram que eu era a pessoa mais confiável do grupo, aquela que tenta sempre ver as situações da perspectiva de toda a gente. Quando foi a minha vez de falar, fiz aquilo que tinha de fazer descrevi as pessoas e disse-lhes o que deviam mudar em relação a alguns assuntos. Além disso, tive de falar da comissão, o que me agradou bastante, tendo em conta que ao tempo que queria que dois dos meus doutores soubessem o que acho deles. O dr M e a dra I. Como estava com as defesas em baixo por tudo o que tinham dito de mim, fui mesmo muito sensível quanto a eles os dois. Respeito-os mesmo muito. Enquanto que o dr é extremamente brincalhão, sensível e super preocupado comigo, a dra transmite-me uma confiança, uma tranquilidade inigualável, e sempre que vem, fico mesmo feliz!
 Falar dos outros praxantes foi também muito interessante, tenho uma dra mesmo inteligente, outra super amorosa e com um sorriso lindíssimo, outra que parece brava mas é mesmo engraçada, uma que é na paz, está quase sempre presente e dá conselhos excelentes, outra que, mesmo pouco presente, causa impacto, um engenheiro que é apaixonado pela praxe e transmite isso. Até da cardeal de curso tive de falar, disse-lhe a verdade, que me assustava, porém, sem ela também não fariam sentido aqueles momentos.
 Foi sem dúvida uma noite emotiva, mas, ao mesmo tempo, sensacional. Durante a tarde fizemos jogos e aprendemos mais do código de praxe e à noite tivemos um momento que nos motivou a ser mais e dar mais! Pelo menos a mim. Agora, só espero conseguir continuar. Estou mesmo a gostar!

Mulheres.

terça-feira, 1 de dezembro de 2015


 Achei esta notícia extremamente interessante. Principalmente, porque uma das mulheres inspiradoras é uma inspiração para mim: a legendária Patti Smith.
 Como sabem, fui vê-la ao vivo e foi das melhores experiências da minha vida, a intensidade que aquela mulher transmite é do outro mundo. A energia do concerto foi tão cheia de poder que me senti assaltada por todas as palavras que faziam parte dos poemas cantados dela.
 Agora, podemos vê-la e a muitas outras mulheres, que trouxeram algo de diferente e único ao planeta, num só calendário. Mulheres poderosas e cheias de vida.
 Um trabalho cheio de arte por parte da fotógrafa Annie Leibovitz, que trouxe algo de novo a esta tradição, ao fotografar mulheres «pouco convencionais» segundo os parâmetros sociais, mas clássicas e originais.
 Isto valia a pena ter em casa. Gostava mesmo.

Temos que nos permitir parar!

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

 Ultimamente tenho estudado muito, talvez por não me sentir tão segura para os teste que aí vêm como me sentia no início, ou simplesmente porque, quando sei que vou ser avaliada, gosto de dar o máximo de mim, estudar até sentir que não havia mais nada a fazer! De qualquer das formas, tenho andado mesmo muito agarrada aos livros e apercebi-me que não me tenho dado ao luxo de aproveitar momentos comigo mesma...

 Depois de quase 4 horas a estudar sem parar, a não ser para comer qualquer coisita, decidi que era suficiente, que chegava, que já estava há muito tempo naquilo. Então, pela primeira vez em anos, deixei tudo em cima da mesa exactamente como estava e sentei-me no sofá... só eu e o sofá, durante meia hora. Já nem me lembrava exactamente como era esticar as costas encostada ao sofá. Depois de ficar meia hora a olhar para o boneco, peguei na câmara que com tanto carinho o meu avô me ofereceu (a máquina profissional de anos dele) e fui fotografar o belo pôr do sol que se sucedia diante dos meus olhos. E digo, nunca me soube tão bem descansar! Agora voltemos ao estudo,


Sentir-me bem.

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

 Há algum tempo que andava com esta vontade de mudar o aspecto deste meu cantinho, deste meu mar de desvaneios e pensamentos. Finalmente o fiz de uma forma que compreendo e gosto. Não me andava a sentir muito bem neste espaço, não me identificava muito com ele.
 Agora que finalmente percebi como funcionava, estou apaixonada pelo meu blog e, com orgulho, digo que me sinto bem, mesmo bem por aqui!
 E todas as mudanças foram feitas ao som dos meus adorados Red Hot Chili Peppers.
 Bem, está na hora de voltar ao estudo!

 Um especial obrigada à Simple Girl que me indicou o site do modelo e se mostrou super disponível para me ajudar se eu precisasse! 

Diário de uma Condutora #4

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

 Respirar fundo e conhecer o carro é crucial. Não faças nada precipitado. Se precisares, pára. É melhor do que levar toda a gente à frente. Não tenhas medo de errar. Não há altura mais indicada para isso do que as aulas de condução. Tenta, falha, recomeça, não tenhas medo. Essa é a mensagem principal!

Entretanto pelo Facebook...

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

 Segundo esta notícia e muitas outras do género, a adoção por casais do mesmo sexo foi finalmente aprovada. Quer isto dizer que sou a favor, apenas porque, se me puser na pele deles durante uns momentos, gostaria que os mesmos direitos para os casais de diferente sexo fossem aplicados à minha situação. Pensemos um pouco... há casais ditos normais que têm filhos e nada lhes querem, ou porque não podem sustentar um filho ou simplesmente porque não são habilitados para tal, havendo até situações completamente evitáveis.
 Eu compreendo que o conceito haver casais do mesmo sexo faça confusão a algumas pessoas. Estão demasiado ligadas ao conceito de «família tradicional». E acho que algumas não estão a conseguir «engolir» esta recente notícia, porque ainda não se habituaram à ideia de que há amor entre pessoas do mesmo sexo. Contudo, não compreender, ou ser contra, não lhes dá o direito de fazer comentários tão rudes, parvos e maliciosos. 
 Se calhar é por estar em Matemática e tudo ter de ser justificado direitinho, mas se querem defender o vosso ponto de vista, façam-no com factos e argumentos devidamente escritos e não insultuosos.
 Faz-me confusão como é que ainda há pessoas tão quadradas.
 Seja X um fulano que se apaixonou fortemente por outro fulano Y. Contudo, X tem tudo para ser um bom pai e sempre sonhou um dia constituir família, com Z, W, etc filhos. X tem amor, lar e educação para dar a Z, W, etc. Quando decidiu formar um casal com Y descobriu que este também gostaria de ter filhos. Pergunto-me agora porque é que X e Y não podem criar Z, W, etc juntos, mas F rapariga e M rapaz podem?
 O que é que F e M têm de melhor para oferecer a Z, W etc? Muitas vezes, nada...
 Sim, ser criado por dois pais ou duas mães vai gerar perguntas na cabeça da criança, porém, estas perguntas só vão surgir porque o nosso país ainda está demasiado agarrado aos padrões «tradicionais».
 Quando a homossexualidade for finalmente aceite, estas questões nem vão precisar de debate, e os heterossexuais não se vão sentir ameaçados injustificadamente.
 Quando for tomada como algo normal, toda a gente vai ser muito mais feliz, pois não vão ter de se preocupar em fazer comentários completamente destrutivos aos outros.
Espero não ter sido desagradável com nenhum de vocês, de facto, só queria apresentar o meu simples ponto de vista...

Eu não percebo...

sábado, 14 de novembro de 2015

 Eu bem tento, acompanho todas as notícias, sei sempre o que se está a passar no mundo, gosto de me manter informada sobre os discursos feitos pelos políticos e cidadãos dos outros países, contudo, eu não faço a mínima ideia do que leva as pessoas a tomar medidas terroristas como as de ontem!
 Como assim alguém carrega tanto ódio, tanta revolta dentro de si de modo a dar cabe de centenas de vidas!?
 Paremos para pensar... As vítimas não foram apenas as pessoas que morreram. A vida de muitas pessoas mudou estrondosamente, o medo que algumas sentiram no momento, a angústia e espera que muitas famílias viveram, o terror que causou no mundo todo. Até eu, sinceramente, receio o próximo passo destes terroristas.
 Não me agradam as generalizações que estão a ser feitas relativamente aos refugiados e a todos os muçulmanos. Principalmente, porque nem todos os muçulmanos interpretam a religião como estes terroristas e os refugiados estão a fugir exactamente de situações como as de ontem.
 Aquilo, aquela coisa, o massacre foi simplesmente desumano, foi macabro, nojento (que é uma palavra que uso muito pouco). Custa-me perceber que, num mundo já tão avançado, ainda ocorram coisas que nem a nível animal ocorreriam. É simplesmente chocante.
 Espero mesmo que os países que procuram tranquilizar esta situação tomem agora uma decisão implacável para acabar com isto. Eu não queria mais violência, porém, isto tem mesmo que terminar. Está a arruinar todos os indivíduos deste (não antes, mas agora) miserável planeta.

TAG: De tudo um pouco

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

 Nunca antes tinha sido nomeada para tal coisa, acho eu (a minha memória está muito focada em Cálculo), e a querida Inês do Dreams and Lemonade sugeriu que eu respondesse a este. É mesmo muito simples e parece-me engraçado!
 Como é óbvio tem algumas regras, mas são pouquíssimas:
  • Responder a todas as perguntas
  • Indicar no mínimo 11 blogs com menos de 500 seguidores;
  • Colocar o selo da Tag;
  • Colocar o link de quem indicou.
 Não vou nomear ninguém, porque acho que seria giro QUALQUER pessoa aderir... Tomem a iniciativa de o fazer, é mesmo muito simples!
 1. Qual o teu estilo preferido de música?
 Eu digo sempre que o meu ouvido é muito versátil, mas, se tivesse que o descrever, diria que me agrada bastante o rock clássico dos anos 70. A minha banda favorita são os Pearl Jam (e eles se calhar vêm a Portugal, ahhhhhh), mesmo que algumas músicas sejam mais pesadotas (algumas até são as minhas favoritas). Adoro ouvir Radiohead, Patti Smith, U2,... Ultimamente tenho descoberto muitas bandas novas, como os Time for T, que já vos mostrei duas vezes! É realmente difícil para mim responder a esta pergunta.

 2. Qual a tua peça de roupa preferida?
 Parece um contra senso, tendo em conta que ando quase sempre de calças ou macacões, contudo, a minha peça de roupa favorita é um vestido branco para o larguito com um pedaço de renda em baixo e manga a três quartos que me foi dado pela minha tia. Assenta-me mais ou menos a meio das coxas e dá para conjugar com todo o tipo de calçado, sapatilhas, sapatos, chinelos elegantes e até mesmo botas. Fica bem com acessórios e sem eles! Só é pena que seja fresquíssimo para o Inverno...

 3. Qual é o teu calçado favorito?
 Além das minhas predilectas All Stars azuis, recentemente comecei a usar imenso os conhecidos por sapatos ingleses com sola de borracha e tons pretos e azuis!
 4. Camisa ou camisola? Calças ou calções?
 Camisola, não é que não goste de camisas, porém, sinto-me mais à vontade com camisolas, pelo simples facto de me sentir mais livre e despreocupada. O mesmo acontece com as calças. Embora adore calções, as calças são sempre o meu «refúgio».

 5. Cabelo estiloso ou tradicional? Liso ou encaracolado?
 A verdade é que já há um ano que faço reflexos vermelhos no cabelo, por isso, talvez, estiloso!? Apesar disso, tenho o cabelo encaracolado, e adoro, até sou conhecida pelo meu cabelo selvagem e livre, contudo, adoro ir à cabeleireira e esticá-lo!

 6. Brigadeiro ou gelado?
 Gelado, se bem que nem um nem outro, não sou muito dada a sobremesas. Há apenas duas que como sempre. Tartes frias, principalmente se forem de maracujá ou semelhantes a cheesecake, e a Ana Preta que a minha mãe faz como ninguém. E, por isso, é que escolhi gelado, porque ambas são sobremesas frias!

 7. Doce ou salgado?
 Salgado, mas não salgado de aperitivos, salgado com sentido de pratos de comida, gosto de experimentar coisas novas, cozinhas tradicionais diferentes.

 8. Como defines o teu estilo?
 Não o defino, porque ele muda consoante o humor com que acordo de manhã. Tanto me dá para o clássico, como para o descontraído, desportivo, «chique»!

 9. És do tipo de pessoa que consome bastante ou só compra o básico?
 Só o básico, sou o tipo de pessoa que se deslumbra com quase tudo o que vê numa loja, porém, consigo sempre controlar o apetite de esbanjar dinheiro! Muitas vezes até gosto bastante de qualquer coisa, mas só compro caso necessite mesmo, porque o dinheiro ainda não nasce das árvores nem cai do céu!

 10. Consideras-te vaidosa?
 Não! De todo. Gosto de ter coisas bonitas e de me sentir bem, contudo, sou mesmo simples neste aspecto. Não me preocupo nada com o que os outros vão achar do meu «outfit» e saio de casa como me sinto melhor!


 Foi giro testar-me e ver aquilo de que gosto ou não. Feel free to answer!

Diário de uma Condutora #3

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

 O pai acabadinho de chegar da Noruega decidiu ir assistir no banco de trás a uma aula da filha... Ao menos fiz estacionamentos perfeitos e controlei bem a caixa de mudanças, porque o nervosismo estava lá todo a dobrar!

Divórcio é um direito.

domingo, 8 de novembro de 2015

 Minha gente o divórcio não é um jogo de fuga ao fisco!
 Apercebi-me ontem durante uma conversa com os meus familiares que há casais que se divorciam apenas porque descontam menos individualmente do que juntos. Estão muito casados ainda, mas assinam os papéis, pondo as coisas boas em nome de um e as restantes em nome do outro. Contudo, aquele que fica com as coisas menos boas continua a usufruir das coisas boas. A verdade é que só estão divorciados no papel. 
 O que me revolta nesta situação toda é que estas pessoas brincam com aquilo que outras lutam para conseguir diariamente!
 Há mulheres e homens que estão presos a uma pessoa com quem são infelizes e que não as deixa sair de um lar cheio de infelicidade e agonia, que passam horas e horas a ponderar qual a melhor opção para escapar de uma vida dura e miserável.
 Além disso, durante anos lutou-se para se conseguir o direito ao divórcio e, vivendo eu esta situação tão de perto, fico revoltada que estas pessoas gozem tanto com uma situação delicada como esta!

Respeito... mútuo, por favor!

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

 Sei, pelo contacto directo que tive durante tanto tempo com amigas e amigos da minha mãe, como é difícil ser professor nos tempos de hoje. Sei também que, infelizmente, a universidade começa a parecer-se com o secundário. Além disso, tenho noção que há personalidades que têm simplesmente algumas dificuldades em interagir, embora imensa vontade de o fazer!
 Contudo, nenhum destes factos é desculpa para o que se tem passado com a minha professora de uma das Unidades Curriculares que tinha tudo para ser uma das minhas favoritas!
 Ultimamente tem tido atitudes que me fazem questionar até que ponto sabe as coisas ou encara o trabalho como uma coisa séria.
 Na passada quinta-feira, deixou-nos 50 minutos à espera pelo final da aula, porque foi tirar umas fotocópias e a reprografia estava cheia, como se não houvesse OUTRAS no campus (e acreditem que há muitas) ou não tivesse outras alturas para o fazer. Mas o pior nem foi isto... mau foi não nos ter dito nada e deixar-nos ali à espera quando podíamos estar em casa a estudar precisamente para a UC dela!
 Apesar disto, ontem foi extremamente rude quando lhe expus uma dúvida. Disse-lhe que não percebi um comando e mandou-me fazer uma coisa, quando lhe disse que já o tinha feito, virou-se para mim e muito frivolamente disse: «Faz outra vez, de certeza que viste mal, só pode!» O que me irrita é que sempre que alguém a questiona sobre algo que ela não tem planeado, fica toda atrapalhada e muitas vezes diz «Não sei». Ontem fiquei chateada, porque sempre lhe dei provas de como sou empenhada e quero perceber, e a professora não fez sequer um esforço!
 O mais engraçado é que depois estes docentes esperam que os alunos olhem para eles como modelos! Não obrigada, tenho uma educação excelente que me ensinou a não deixar os outros a ver navios quando os posso ajudar ou quando sei de quem pode!

Apetece-me gritar...

terça-feira, 3 de novembro de 2015

 ... de felicidade: 

OS PEARL JAM VÊM A PORTUGAL EM 2016.

 Já não bastava virem os U2 e os Kodaline, agora vem a minha banda favorita. Como conter a excitação!? Não dá, não dá, não dá...

Uma história e um vício.

sábado, 31 de outubro de 2015

 Durante um cafézito com os meus amigos houve um momento em que apenas eu e a minha maior amiga estávamos sentadas à mesa e, como sempre, começámos a falar de tudo e de nada. Foi então que descobri que quase todos os tios do lado paterno dela morreram devido a um vício e às consequências que este acarreta!
 E refiro-me ao álcool. Álcool em excesso, álcool às escondidas, álcool a toda a hora, álcool mesmo quando o médico diz «chega».

 Assim, falava, obviamente, do cancro de fígado. Esse que, como outros, traz uma dor imensa para a pessoa e para os que o rodeiam.
 Pois é aqui que me questiono como é possível as pessoas deixarem-se chegar a esse ponto. É triste mesmo que a dependência seja tão grande que quando alguém aconselha a parar, simplesmente não se consegue.
 Questiono-me o que vêem estas pessoas na bebida, e noutras coisas semelhantes, que as faz depender daquilo para serem felizes. É como se conhecendo o mundo para que são levadas sob o efeito, não quisessem outra coisa. Será assim tão bom viver num mundo paralelo onde nada é real? Onde até os sentimentos são uma farsa? (Entenda-se que uma coisa é tomar uma cerveja numa saída à noite e aproveitá-la à beira dos amigos, outra é beber garrafas incontáveis por dia...)


 Preocupa-me isto, pois um dos hábitos dos tios dela era uma atitude muito portuguesa e perigosa: chegar a casa e ir para o café beber até se perder noção das horas!
 É uma situação tão delicada e provoca tanto sofrimento... Principalmente, porque era uma situação completamente evitável!

 Tenho receio destas coisas...

Diário de uma Condutora #2

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

 Sensação excelente quando conduzes pela primeira vez na tua segunda aula em duas das vias da cidade que temias mais! Correu bem.

Organização.

terça-feira, 27 de outubro de 2015


 Ontem, em vez de me dedicar ao estudo para Matemática Computacional I (ups), estive a pôr o meu cantinho em ordem, finalmente!
 Assim, criei finalmente etiquetas que tornam mais fácil o acesso aos «temas» que trato aqui.
 Separei as minhas publicações em:
 Acho que desta forma se torna mais fácil se quiserem realmente saber mais sobre mim dentro de cada tema.
 Espero que gostem!

Diário de uma condutora #1

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

 Porque é que não podemos olhar para os pedais!!!???
 Ou ter quatro olhos, onde dois miram a estrada e os outros espreitam os pedais....

Update.


 Já não escrevo aqui há muito tempo, assim como já não publicava uma foto no instagram há duas semanas ou não 'tweetava' há uma semana. Sentia saudades!
 Entretanto muito aconteceu... O meu pai voltou a ir para a Noruega, o que é desmotivante para o progenitor, uma vez que tem o azar de ir sempre em alturas importantes para a família, os meus 18 anos, os meus exames de 12º Ano, o aniversário de casamento dos meus vovós, a candidatura à universidade e o resultado, algumas consultas importantes da minha vó e, agora, o meu primeiro teste da universidade e a minha primeira aula de condução.

 Sei que parecem coisas triviais, talvez eu vivesse bem se, no lugar dele, faltasse a estas datas, porém, o meu pai, como já disse várias vezes, é uma pessoa muito carente, assim como dá imensa atenção aos pequenos detalhes (as nossas zangas provêm muitas vezes destes pequenos, minis, invisíveis detalhes).
 Espero, de qualquer forma, que o tranquilize saber que o teste não me correu mal e que a filhota dele está ansiosa para pôr o carro a andar, meia horita, aiiii. De certeza que saber isto o vai deixar mais feliz!
 Noutra onda, o meu fim-de-semana foi muito calmo e satisfatório: na sexta à noite fomos outra vez jantar aos meus vizinhos, adoro estes serões, rimo-nos, falámos imenso e comemos bem! No sábado fui com a minha madrasta almoçar ao centro comercial (SUSHI E LLAO LLAO!!!), seguimos para casa onde eu estudei ao mesmo tempo que vi séries com ela, as nossas séries. Só estive eu com ela, uma vez que a minha mana teve jogo, mas ao jantar e no domingo já estive com a minha mãe e a minha mana, a fazer nada e muita coisa.
 Deu para descansar, principalmente com aquela horita a mais, e para estudar bastante, sinto-me satisfeita.
 Agora vou assustar pessoas na estrada!

Apelo à Sociedade.

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

 Por favor, parem de escrever A SÉRIO das seguintes formas: asseriu, assério, aserium!

 Estão erradas. Aliás, estão para lá de erradas... são puras abominações de duas palavras tão simples, A e SÉRIO.

 Continuação de óptima de tarde!

Bizarro? Sim, não,... não sei!

quarta-feira, 14 de outubro de 2015


 Estava a estudar fazia cerca de duas horas quando decidi que me apetecia um llao llao e, tendo a sorte de ter o centro comercial a 15 minutos de casa, lá fui eu!
 Desfrutei do meu momento sossegada e feliz da vida com aquele pedacinho do céu até ao último minuto. Até aqui a história não tem nada de estranho, pois não? 

 Como aquele bom momento tinha acabado, decidi voltar para casa, para que o estudo pudesse prosseguir. Abri a grande porta do centro comercial, saí e reparei que vinha um velhinho atrás com um andar muito vagaroso e, devido à minha educação, segurei a porta e esperei que o senhor chegasse e saísse sem se esforçar muito mais do que já se vinha a esforçar.

 Foi então que o misterioso senhor parou, ficou a olhar para mim e começou o seu discurso inquisidor: «Obrigada menina, que simpático da sua parte! (eu sorri e disse que não precisava de agradecer) A menina é tão misteriosa, como se chama a menina? (respondi o meu nome) Hum... E de que signo é? Esse olhos transmitem muita coisa... (disse que era gémeos e agradeci.) Eu sei que não se deve perguntar a uma senhora, mas a menina ainda é muito nova, que idade tem? (18 anos e fiz um largo sorriso, embora já um pouco cansada de tantas perguntas, tentando depois explicar que tinha mesmo que me ir embora...) A menina volta cá? Guarde o meu número, eu gostava muito de falar consigo um dia, eu estou sempre ali no café dentro, apareça um dia para falarmos. (A achar muito estranho e a ficar um pouco assustada, disse que tinha mesmo de ir) Posso despedir-me com dois beijinhos? Por favor, sexta feira apareça por volta desta hora naquele cafézito, para falarmos, pode ser? Promete?»
 Vim-me embora, depois de receber um beijinho na mão, visto que recusei os dois beijinhos, pensativa e assustada... E ainda me sinto assim. Como se precisasse mesmo de voltar a falar com o senhor para saber o que ele me quer, contudo, cheia de medo, pois a forma como o senhor se aproximou e me olhou nos olhos não foi nada normal!
 Bizarro? Não sei, mas que foi estranho, foi...

100 saber o que fazer.

segunda-feira, 12 de outubro de 2015


 Estava a clicar em «Criar Nova Mensagem» para falar de uma dúvida que paira na minha cabeça quando reparei que esta é a centésima publicação que faço. E não podia vir mais a calhar, visto que é um número interessante e eu ia falar de um dos meus melhores amigos, ou do que ele também escreve!
 Assim, vou dedicar-lhe esta célebre publicação, afinal, de todos, ele deve ser dos que merecem mais a minha atenção, pois nunca tive amigo tão dedicado a mim! É das melhores pessoas que conheço, muito preocupado, mas sabe respeitar o nosso espaço, muito brincalhão, contudo, rapidamente sabe ser sério, muito simpático e atencioso, embora, facilmente me consiga dizer não ou contrariar. E eu adoro isto na amizade!

 Todavia, não é das suas características que vou falar, mas sim no facto de ele escrever poesia. A poesia dele é como música para os meus ouvidos, comida para o meu estômago, rapazes giros e inteligentes para os meus olhos. (Tive piada agora!) Realmente, há muito tempo que não conhecia ninguém que escrevesse tão bem quanto ele... O único problema é que ele tem vergonha do que escrever, por isso, nunca o publicou em nenhum jornal escolar, em nenhum blogue, e isso entristece-me, pois é muito potencial que se perde!
 A minha ideia era compilar alguns poemas e fazer um livrinho mini e oferecer-lhe. Ver se isso talvez lhe provocasse entusiasmo e alguma vontade de escrever mais! Que acham?
 E um brinde aos amigos, sejam eles 100, 50, 10, 5 ou apenas 1!

«Sair».

sábado, 10 de outubro de 2015

 Estou cansada desta ideia pré-concebida que as pessoas têm de que para sair é preciso fazer alguma coisa, como beber, ou fumar, ou ter um propósito pré definido.
 A sério minha gente, não pensem assim, de todo.
 Para mim, sair significa estar sentada com os meus amigos, contar a nossa semana uns aos outros, falar sobre assuntos diferenciados e dicuti-los civilmente, ficar acordados até altas horas a fazer nada e a dizer tudo, partilhar uma refeição ou simplesmente um café.
 Isto para mim é sinónimo de uma noite cheia de qualidade... fico mesmo triste que agora os jovens precisem de mais para ter alguma diversão, mesmo que esta seja temporária e um tanto imaginária!
 Espero ansiosamente o dia em que as coisas mudam.

Característica.

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

 Podia muito bem falar de Matemática com este título, visto que agora, sempre que uso esta expressão, é de Álgebra que me lembro. *Característica de uma matriz: número de linhas não nulas dessa mesma matriz!* Estou a ficar obcecada...
 Contudo, não é disso que vou falar. De facto, vou falar de algo que não tem nada a ver com o concreto: uma característica da minha personalidade.
 Sou uma pessoa de riso fácil, e de sorriso ainda mais fácil. Sou mesmo alegre e facilmente me divirto, em qualquer circunstância. De qualquer das formas, isso não anula o facto de ser uma pessoa de lágrima rápida.

 Assim, quer seja raiva, quer seja tristeza, quer seja alegria, lá está ela a espreitar, sempre pronta a deixar-me nervosa. Mesmo que esteja apenas cansada ou bastante emocionada. Claro está que a seguir vêm as infinitas perguntas sobre o nosso bem-estar que nos põe no centro das atenções e não nos deixam nada à vontade!
 Portanto, embora isto queira dizer que ao menos eu tenho sentimentos e muitos, preferia não ter a lágrima no cantinho do olho sempre à espera da sua hora.
 Nada com que não se aprenda a lidar.

Dia de Eleições

domingo, 4 de outubro de 2015

 Chegou o tão esperado dia de muitos portugueses. O dia em que a nossa opinião por muito inútil que seja vale alguma coisa. Ou assim pensam os eleitores...
 Este foi o meu primeiro ano enquanto eleitora. Contudo, não me sinto mais realizada por poder fazer um X num quadradinho, pois, vistas as coisas do meu prisma, qualquer que seja o partido que vá governar o país, não vai fazer grande diferença em termos de decisões, tendo em conta que a situação em que estamos financeiramente é má para que quem quer que seja que ganhe faça alguma inovação em relação ao próximo! Infelizmente, há 4 anos o país estava a 15 dias de não conseguir pagar ordenados aos funcionários, estivemos quase na miséria se não tivéssemos aceite aquele dinheiro emprestado. Embora o país tenha saído daquele estado decadente, continua muito mal, e não creio que um partido consiga agir de maneira muito diferente do outro.
 É óbvio que esta situação me deixa um pouco em baixo, pois sinto que o meu voto não faz muita diferença agora que, finalmente, já posso exercer esse direito!
 De qualquer das formas, acredito mesmo que ninguém deve deixar de votar por causa de uma situação monetariamente má! Aliás, apoio que toda a gente saia de casa neste dia horrível e tempestoso e vá dobrar o papelinho em dois! Afinal, é um direito nosso e também um dever...

Aconteceu...

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Um pouco do look!
 E pronto... aconteceu! O meu tio mais novo casou. O último solteiro. O que vemos mais como um primo, pois tinha 13 anos quando nascemos. Estou tão feliz por ele.
 Aliás, nunca fui apreciadora do ideal casar por igreja e perante deus, contudo, o meu tio estava tão feliz que, todas as emoções sentidas pelos crentes, senti vezes mil ou mais. A cerimónia foi linda, tirando quando os fotógrafos se colocaram à nossa frente na troca das alianças e o meu avô lhes pediu que se desviassem, ao que eles ripostaram «Tira o se
nhor?» , não sabendo que o meu avô é fotógrafo profissional desde 1950 mais ou menos.
 A festa a seguir foi nas caves e foi linda. Primeiro, o menu era simples, prático e ao agrado de todos, principalmente a sopa com cogumelos e o bacalhau. Em seguida, como os noivos são novinhos, os amigos dos noivos também o eram, logo, a festa foi super animada, foi divertida ao ponto de eu ter começado a dançar às nove e meia e ter parado às duas e meia, cheia de dores de pés que senti apenas quando parei. Por último, finalmente bati com a cabeça na parede e percebi que o meu primo, que eu admiro mais que tudo, realmente gosta de mim, e isso soube bem ouvir; passámos o tempo quase todo a falar, a dançar (além das 20 outras pessoas com quem dancei), a contar piadas, a tirar fotos na máquina instantânea que lá havia...
 Foi mesmo bom, não consigo descrever em tão poucas palavras.
 Que semana que foi, de segunda a segunda. Só dias espectaculares.
 Conto mais depois, tenho tantas novidades!

Tic tac

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

 ... Tic tac tic tac tic tac.
 Assim como as horas parecem não passar, está tudo a passar demasiado rápido. Nem dei conta desta última semana acontecer. Não houve um dia em que pudesse chegar a casa e respirar fundo acalmando o meu coração. Estou sempre a fazer alguma coisa. Porém, não me queixo, prefiro assim do que estar em casa, fechada entre quatro paredes, com imenso tempo disponível para pensar nos meus defeitos, pois vocês sabem que eu tendo para isso.
 Finalmente voltei a ver os Time For T ao vivo, conheci-os a todos, abracei-os, falei com eles, tenho autógrafos e ainda fui reconhecida por eles do primeiro concerto a que fui. É bom saber que sou uma pessoa cuja presença é notada. Deixa-me feliz.
 Entretanto, tive a afilhada da minha mãe cá por casa... foi um pouco quebra rotina, mas não se esteve mal! Embora eu tenha alguns contra tempos com ela.
 Ontem tive uma aventura que vou guardar para outro post para contar, quem sabe mais logo, pois foi um dia mesmo caricato. Fui a Lisboa ver a Patti Smith com a minha vizinha e foi surreal, divinal, fantástico, mirabolante!
 Hoje, vim almoçar a casa para daqui a 20 minutos estar com os meus Doutores com a finalidade de ir ser praxada para um «evento» da praxe da minha Universidade! Envolve uma piscina, roupas divertidas e um espírito acolhedor. Estou pronta.
 Desculpem a minha ausência. Beijinhos.

1º dia a sério!

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

 Finalmente! Tive aulas... eu sei que maior parte de vocês estranha estas palavras, porém, estava há tanto ansiosa por conhecer alguns dos professores que me vão acompanhar... Tivemos Álgebra Linear I e Cálculo I. Não tenho ainda opinião formada sobre as docentes, contudo, estou mesmo entusiasmada com a matéria, matrizes e números reais, do que eu gosto! Vamos apenas ver como corre.
 Quanto à praxe, hoje gostei mesmo muito. Aprendemos as músicas de curso, fizemos o jogo da mímica, aprendemos regras novas e saudações. Criámos ligações ainda mais fortes com os doutores e conhecemos uma das Bispos. Ainda de maior importância, sorrimos e gargalhamos.
 Além do excelente dia que tive na universidade, comi Salmão grelhado, outra vez, com bróculos, salada e batata-doce. Estive no paraíso!
 Espero agora ansiosamente o jantar de curso, no qual tenho a certeza que me divertirei.
 Vou manter-vos ao corrente. Beijinhos super fofinhos!

Receitas da Alforreca #2

terça-feira, 15 de setembro de 2015

 Hoje é o primeiro dia deste verão que passo todo em casa, obviamente, por causa desta chuva irritante que não me permite sair ou vestir roupa bonita e de verão!
 Com tempo de sobra e sem saber o que fazer, decidi partilhar convosco mais duas receitas que adoro e acho que vocês vão gostar muito também... o conceito para quem me conhece é claro: comida saudável e saborosa para visitas ou mesmo para apreciar quando acompanhados apenas pelos nossos ou por nós mesmos.
Puré de Couve-Flor

Couve-flor à vontade do freguês
1 raminho de bróculos ou 1 punhado de nabiça
1 cebola média
1 dentinho de alho
orégãos
piri-piri moído (opcional)
1 colher de sobremesa de philadelphia

1. Levar uma panela grande com água suficiente ao lume. Temperar com sal, se quiserem. Ao ferver, juntar a couve-flor e os bróculos. Deixar cozer 8-10 minutos.

2. Escorrer a água, e reservar os legumes. Saltear a cebola, o alho e as especiarias num pouco de água até ficar com uma cor mais bronzeada.

3. Juntar tudo na panela, com o lume desligado, ou numa taça e triturar com a varinha mágica. Se a textura ficar muito dura, então adicionar a colher de sobremesa de philadelphia.

nota: normalmente faço este acompanhamento quando como salmão grelhado temperado com gengibre, pois é uma combinação que me dá muito prazer. Aconselho a acompanhar também com arroz integral. Porém, este é um acompanhamento que vai bem com qualquer prato. E é levíssimo.

 Embora esta seja uma das minhas receitas favoritas e mais rápidas, a que vem a seguir é uma Entrada divinal para qualquer ocasião. Até para um jantar fofinho apenas com a mãe e a mana.

Philadelphia no forno com pimento vermelho

1 pimento vermelho médio
2 c. sopa de vinagre balsâmico
2 c. sopa de vinagre normal
1/3 chávena de açúcar mascavado
1 embalagem de queijo philadelphia light

1. Levar ao lume tudo menos o queijo. Deixar apurar bem até ficar com uma textura espessa, chamam-lhe ponto mel. Ter atenção para não ficar duro como uma rocha.

2. Desenformar o queijo para uma taça própria de ir ao forno e espalhar a mistura do pimento por cima.

3. Levar ao forno a 150ºC até o queijo estar com um aspecto um pouco mais derretido.

 Sinto que não fui muito clara quanto a esta, porém, se alguma vez experimentarem, vão ficar tão espantados com o cheirinho que deixa na cozinha e com a sensação aprazível que deixa na boca. Os meus vizinhos deliciaram-se!
 Bem, que estas receitas vos acompanhem num dia feio e vos confortem um pouco o estômago!
 Beijos fofos.

Das primeiras impressões.

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

 Chegada à Universidade fui logo abordada pelos Doutores. Conheci-os e eles conheceram-me a mim. Foi tudo muito interessante até que chegou a Cardeal. Sinceramente, não é que seja uma pessoa desagradável, porém, o ambiente altera ligeiramente com a sua presença!
 Finalmente, pudemos dirigir-nos aos Laboratórios para conhecer a directora de curso e alguns dos alunos que frequentam o Curso. Penso que foi a minha parte favorita, ri-me imenso, adorei os testemunhos, fiquei cheia de vontade de começar já com as aulas. De seguida, era suposto fazermos visita guiada, coisa que me teria agradado imenso, mesmo, contudo, quando tentei expressar-me, todo o grupo preferiu ficar com os Praxantes, o que compreendo perfeitamente, ainda que não me apetecesse assim tanto, simplesmente porque queria conhecer bem a faculdade tendo em conta que quarta-feira vai ser uma confusão muito grande.
 Além disso, fomos almoçar apenas às duas menos cinco, o que quer dizer que tanto a minha cabecinha como a minha barriguinha estavam a dar horas e a passar-se completamente!
 Apesar de tudo isto, adorei os doutores e os alunos do curso. Ao almoço tivemos oportunidade de conversar com os doutores e perceber um pouco mais do curso, da escola e das oportunidades.
 Ainda pude conhecer alguns dos meus colegas de turma, o que foi bastante simpático... Gostei de algumas pessoas, mesmo assim, quero esperar para ver o que este ano me reserva.
 Agora, desejo quarta-feira, as aulas, que comece a beleza que Matemática é!

A polémica.

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

 No âmbito deste post da Lucky13, que eu adoro ler, esta foi a resposta que eu dei, já cansada de tanto choradinho por parte dos portugueses...:
 A mim não me incomoda, quer dizer, acho que devemos, sempre que é possível, ajudar o próximo. Se não fomos capaz de os acudir quando eles passavam tão mal, então acho que devíamos mesmo ajudar o máximo número de refugiados possível. Além disso, não me parece que esteja a ser uma situação mal pensada, aliás, o número de refugiados que cada país está a acolher é proporcional ao seu tamanho, capacidade económica e condições políticas.
 Não percebo muito bem as pessoas que dizem que estamos a receber terroristas, quer dizer, esta afirmação é um estereótipo muito feio, pois, se formos por aí, quase todos os países são terroristas.
 Fico também triste quando um país afirma não os querer à sua volta, porque lhes vão roubar os empregos. É triste mesmo, visto que, embora muitos deles até sejam doutores, mestres ou licenciados, vêm para a Europa fazer o trabalho que os cidadãos europeus muitas vezes desprezam, como limpar casas, varrer ruas, apanhar lixo... Apesar de sermos um Continente muito «à frentex», temos imensos complexos em relação a estes trabalhos que deviam ser bastante valorizados.
 A meu ver, os refugiados apenas querem fugir da miséria em que estão a viver, ganhar uns troquitos e possibilitar uma boa vida para as suas gerações futuras... Enquanto tivermos espaço na nossa «rica» Europa, qual o mal de ajudar?
 Espero que ninguém leve a mal qualquer coisa que eu tenha pronunciado. Estou apenas a tentar ter uma posição neste assunto.

Uma banda, muita felicidade.

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

 Foi no dia 12 de Junho que tive o prazer de assistir a um concerto maravilha desta banda, Time for T. É ainda um grupo pequenito, com um público reduzido, porém, nunca vi tanta amizade num palco como a que eles partilhavam. No dia a seguir ao meu aniversário aventurei-me com esta banda, na altura completamente desconhecida para mim, e acabei a descarregar as músicas todas para o meu telemóvel, a desejar ardentemente poder comprar-lhes a t-shirt e o disco.
 As letras são envolventes, fazem-me rir, descontraem-me, são boa companhia para corridas, além disso, são excelente música para convívio. Assisti ao mini concerto com a minha grande amiga, o que tornou o momento ainda mais especial, obviamente.
 Porque estou eu a falar deles? Porque aconteceu algo extremamente fantástico: Eles voltaram a Portugal e vão dar um concerto na minha cidade! E quem é que vai lá estar? EU!
 Adoro isto, vai ser um reviver do meu aniversário, do começo do verão e de uma altura muito feliz da minha vida. Assim, posso dizer que vou acabar o verão exactamente como o comecei!
 E QUE VERÃO!!!!

Matemática: Feito.

terça-feira, 8 de setembro de 2015

 Hoje fui finalmente inscrever-me naquilo que sempre quis, porém nem sempre soube. Às 8h40 já me podiam ver deambular pelo exterior da Universidade. Deambulei até ao complexo onde se efectuavam as inscrições. Segui todos os passos, preenchi uma série de inquéritos, ouvi uma série de vezes «Bem vinda à melhor academia do país», presenciei a apresentação de todas as mesas de informação, usei a papelaria pela primeira vez, fiquei com curiosidade em relação a todas as tunas, bem como dei por mim a ficar bastante desapontada quando não encontrei os Doutores do meu curso. Fui abordada por todos os outros, imploraram-me até que fosse de Gestão, com a finalização de me praxar. Contudo, o que eu mais queria era mesmo conhecer pessoas que partilhassem da minha paixão e divertir-me um pouco com elas...
 Espero ansiosamente dia 14. Até lá, boa sorte a toda a gente que está a inscrever-se ou que já está em aulas!

Primeira crítica e não é boa.

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

 Sexta à noite, a minha mãe estava super cansada, eu tinha caminhado o dia todo de um lado para o outro a fazer recados. Eram 19h30 e nenhuma de nós tinha vontade de fazer o que quer que fosse na cozinha. Decidimos então ir experimentar o restaurante que ganhou mérito por ser considerado o melhor pela Trip Advisor em Braga neste ano: A Taberna do Félix.
 Chegámos por volta das 19h50 e já quase não havia mesas para nos sentarmos. Pensei que isto fosse um bom sinal. Finalmente, encontrámos uma mesa onde podíamos sentar-nos as três. Serviram-nos pão, de apenas uma variedade. Começámos a olhar para a Ementa e eu comecei logo a estranhar... Lulas recheadas, 11,75€. O meu pensamento foi: dá para duas pessoas, vem com imenso legumes a acompanhar e, provavelmente, batata cozida! A minha irmã ficou entusiasmada com o Arroz de Pato que custava 10,75€. Como é o típico prato, pensámos outra vez que dava para duas pessoas. Chamámos a senhora para pedir. Quando lhe perguntámos se o Arroz não dava para duas, a senhora garantiu-nos que não, que era dose para uma só e que podia não chegar. Pedimos também Sardinhas Espalmadas para compensar. 9,75€.
 Na minha doce inocência, perguntei o que acompanhava as Lulas, e foi então que ouvi a resposta que mais me chocou, «Arroz apenas». Bastante desagradada fui à página das Entradas e pedi um salada com mirtilos, queijo feta, mistura de alfaces e tomate cherry, 6€.
 Eram 20h05 quando pudemos fazer o pedido, eram 20h50 quando começámos finalmente a comer. É bom que seja feito na hora, mas eu já cozinhei todas estas coisas, com mais sabor e menos tempo!
 E foi isso que me irritou. Embora estivesse bom, deixou muito a desejar! O melhor prato era mesmo o de Lulas e trazia apenas duas Lulas ligeiramente recheadas. O Arroz de Pato dava à vontade para duas pessoas. E as Sardinhas não eram nada de mais.
 O pior de tudo foi quando nos trouxeram a Salada que estava descriminada como entrada e era 3x maior que o meu prato. Além disso, não era prato principal e era o mais saboroso.
 Bastante descontentes com tudo, nem pedimos sobremesa. Chamámos a Senhora e dissemos que queríamos a conta. Quando chegou, descriminava 3 cestos de pão, só tendo nós comido um, além de 2 garrafas de 1L, só tendo nós bebido uma.
 Bem, pagámos e viemos embora.
 Sabem qual foi a pior parte? A pior parte foi o facto de o meu restaurante favorito, o Anjo Verde, ser mesmo à beira da Taberna e eu ter ido comer àquele sítio. Fiquei mesmo mal impressionada. Se algum dia lá voltar, espero mesmo que tenham melhorada bastante. Já não se pratica em quase lado nenhum servir qualquer prato apenas com arroz!

Começar Setembro.

terça-feira, 1 de setembro de 2015

 Ando num reboliço de sentimentos. Infelizmente, domingo tive um desentendimento muito feio com o meu pai, desentendimento este que me deixou completamente partida em cacos. O pior de tudo é que aconteceu precisamente no dia anterior à partida dele para Bergen, na Noruega. O pior ou o melhor... também nos dá algum tempo para pensar e, talvez, começar de novo com mais calma!
 Depois dessa onda de mau estar e tristeza, decidi que queria começar Setembro da melhor maneira possível.
 Com tudo isto em mente, assim que acordei fui tomar o pequeno almoço com a minha mãe, o meu belo pãozinho de girassol com compota de frutos vermelhos caseira acompanhado de iogurte com imensa canela. Quando a minha querida mãe foi trabalhar, deitei-me um pouco na cama e mimei a minha irmã que ainda dormia. Em seguida, peguei nas minhas sapatilhas de desporto e fui dar a segunda corrida desta semana, já não corria há quase duas semanas e meia, o que me soube às mil maravilhas. Cheguei a casa, fiz uns abdominais, e fui tomar um belo banho. Entretanto, dormitei um pouco, quando acordei para a realidade, grelhei o salmão, assei a batata doce, cozi os brócolos e senti-me mesmo muito satisfeita. Claro que um dia bom não é um dia bom se não estiver com as pessoas que gosto, e como é impossível estar com todas, liguei à minha adorada amiga Ritinha e convidei-a para ir lanchar um llao llao comigo. O resto do dia depois vê-se.
 O que interessa é que depois de alguns dias menos bons, este está a ser muito calmo e uma boa maneira de começar um novo mês, parece de propósito para me dar ânimo e me fazer ver as coisas de outro prisma.
 Estou bem. Beijo!

Dos regressos.

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

 Hoje aconteceu algo que me deixou completamente nas nuvens. A querida Ana Rita mandou-me um comentário onde expressava as saudades que tinha de saber notícias aqui da Alforreca... como também já tinha saudades de escrever, decidi que estava na hora de postar qualquer coisita. E é caso para começa como o diário da personagem da Meryl Streep no Mamma Mia, Donna Sheridan:
 "What a night..." sendo que, neste caso, foram várias noites, vários dias, uma semana no total.
 A semana passada foi talvez das mais livres e felizes da minha vida. É verdade que passei 90% dos dias suja e com os horários todos trocados, porém até isso me fazia sentir nas nuvens... criei ligações com amigos ainda mais fortes, o que pensei não ser possível, visto que já tinha laços muito Unidos. Todavia, tive conversas intensas, noites longas, dias calmos, gargalhadas sinceras, uma ou outra lágrima quentinha, assisti a concertos que me fizeram dançar, saltar, fechar os olhos, abraçar desconhecidos, criar amizades, sorrir. E, mesmo que tenha havido momentos em que me deu vontade de estrangular o vizinho, a melhor forma de descrever esta semana é mesmo dizendo que para o ano espero repetir a experiência com as mesmas pessoas. Senti-me em casa. Sim, fizeram-me falta coisas básicas, como uma casa de banho sempre limpa ou água com pressão para lavar bem os dentes (vício saudável), contudo  passou-se uma semana e tinha lá ficado um mês, um ano, uma vida. Assim, com os que gosto bem perto de mim. Só não o faço porque senti mesmo muitas saudades da minha mummy e da minha mana.
 Qualquer dia escrevo sobre a experiência em si e dou alguns conselhos para sobreviver e ter das melhores semanas de sempre.
 P.S. - talvez esteja até Feliz demais!! 

Pronta para o festival!

domingo, 16 de agosto de 2015

 É já amanhã que vou finalmente ter com os meus amigos para dar início a uma semana de festival, de campismo, de amizade, de diversão, de conversas longas até tarde, de comer ao ar livre...
 Tento não elevar muito as expectativas para não haver lugar para desilusões, contudo, mal posso esperar para os abraçar depois de tanto tempo sem os ver!
 Finalmente tenho um grupo de amigo do qual sinto mesmo falta, do qual sinto saudades. Eles fazem-me rir, falar à vontade, dançar, ser eu mesma.
 Só espero que valha mesmo muito a pena! Além disso, vai lá estar o casal que por sinal é dos meus maiores amigos!
 Sinto-me feliz.
 Entretanto, só passei por aqui para dizer um Olá e dar sinais de vida... Beijo fofitos!

O importante é....

sábado, 8 de agosto de 2015


... sentir-mo-nos bem connosco. Passamos a vida a tentar agradar a Gregos e a Troianos, quando tudo o que fazemos é criticado de qualquer das formas. É muito cansativo fazer feliz o do lado para este passar todas as santíssimas horas da vida dele a fazer comentários negativos da nossa maneira de ser, estar e falar.
 Sei que falo muito disto, bem como quase que é o assunto principal do meu cantinho, porém, sou um exemplo de pessoa que passou os últimos 18 anos a tentar deixar toda a gente bem e só agora me apercebi que NÃO VALE A PENA! Deixar os mais próximo contentes, satisfeitos, alegres quando estão connosco é uma coisa, contudo, fazer a felicidade deles a nossa prioridade é outra.
 Depois de muito lutar, depois deste último ano de sofrimento e dores, quem me acompanha desde o início sabe a que me refiro, finalmente posso dizer que aprendi a fazer-me feliz. Quer dizer, tomei consciência de que eu tenho de me sentir confortável, bonita e bem disposta para tudo à minha volta se alinhar e contribuir para isso!

 Acredito agora que a felicidade acontece, só temos de a deixar acontecer-nos a nós, de vez em quando faz bem pensarmos apenas em nós!

Experiências de Hoje.

domingo, 2 de agosto de 2015

video
 Depois de uma visita bastante reconfortante ao meu avô, chegámos a casa dos meus tios, que estamos a guardar e a tirar partido enquanto eles estão fora, e tirámos imensas fotos...
 Todavia, cansadas dessa rotina, decidimos experimentar a ferramenta High Speed Video da câmara da minha mãe. Constatámos que funciona mesmo bem! Fazemos um movimento rápido e fica com um efeito excelente. Podem ver outro exemplo aqui!
 Beijo.

Plágio. #%§?

sexta-feira, 31 de julho de 2015

 Nunca fui vítima de tal coisa, verdade seja dita, porém, fico cansada e até frustrada de assistir diariamente a casos e casos de plágio. Resta-me fazer uma perguntazita aos 'plagiadores': É para isso que criam blogs? Para serem a cara de um cantinho que não tem nada de pessoal além do tema, se este tiver sido personalizado?
 Ainda ontem vi uma rapariga que tinha um blog mesmo muito interessante, bem como um conceito super curioso, contudo, toda a beleza que o blog poderia ter se perdeu quando dominou de «minhas» algumas receitas que eu sabia serem de outra blogger. Ainda por cima, uma das fotos era da autora original... (sei que foi plágio, pois a data de publicação da que plagiou era posterior à outra)
 Como é meu costume enquanto pessoa honesta que fui ensinada a ser, avisei de imediato a blogger que foi vítima de plágio. Se há coisa que menos tolero é que usem o trabalho dos outros para proveito pessoal. Irrita-me profundamente. Já me deixava alterada quando era com trabalhos escolares!...
 Por favor, guardem alguns momentos para pensar se vale mesmo a pena copiar o trabalho de outra pessoa, porque acreditem que algo que foi da vossa total autoria pode ter muito mais interesse!

Das memórias...

sábado, 25 de julho de 2015

 Não sei se alguma vez falei disto por aqui, neste meu cantinho... porém, estava agora a ouvir The Cranberries quando me recordei de alguns detalhes da minha infância que influenciaram completamente os meus gostos do momento.
 Em pequena, e ainda agora, tinha uma dificuldade gigante a adormecer, bem como a manter-me adormecida, por isso, lembro-me perfeitamente, a minha mãe arranjou duas soluções, enquanto o meu pai apenas arranjou uma, as três com consequências nos dias de hoje, positivas, está claro!
 Embora a minha mamã diga que não, esta tem imenso jeito para cantar, juntando isso ao facto de saber os álbuns dos The Cranberries todos de cor, era esta banda com que adormecia no ouvido cantada pela bela voz da minha progenitora. Agora sou uma viciada nas suas músicas e sei o reportório quase todo de cor. Além disso, a Alforreca adulta tinha, e talvez tenha ainda, uma imaginação enorme e na altura lia imenso Agatha Christie, por isso, quando não havia eficácia nas músicas, punha-se a inventar histórias semelhantes às desta escritora incrível com personagens fenomenais como Poirot ou Miss Marple. Assim, desde que me lembro que devoro os livros desta exemplar artista e já tenho uma colecção bem alargada! Vou ainda este fim de semana comprar mais dois, olé!...
 Por outro lado, o meu pai, como vocês sabem, influenciou imenso o meu gosto musical, e ainda bem, a minha escolha nos filmes, nas séries e nos desportos, contudo, houve algo no qual teve REALMENTE influência. E foi, claramente, na Matemática. Se eu estava com dificuldade a adormecer nada melhor que contar-me pequenas histórias sobre a matemática, além das mil e uma histórias onde as personagens eram números.
 É deveras engraçado como este pequeno detalhe das minhas noites teve tanta influência no meu futuro. O meu gosto pela disciplina em si era de tal forma enorme que quando íamos passear, e mesmo nos dias de hoje, via matemática, fórmulas matemáticas e números em tudo quanto era lugar. «E agora?» Perguntam vocês.
 Agora candidatei-me a Matemática! E sei, tenho a certeza, que vou ser mais feliz que uma criança que se delicia com um gelado. Afinal, a Matemática é o meu pequeno paraíso...