Porquê tão insensível!?

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

 Tenho um amigo que é impecável. É super inteligente, sabe usar todas as situações a seu favor, não tem vergonha do que constitui o seu cérebro, e carrega uma auto-estima inabalável. Foi uma pessoa que me suscitou bastante interesse mesmo, pela simples questão de não conseguir parar de sorrir e rir à beira dele. Porém, (e maldita a hora em que todas as coisas boas são acompanhadas por um conector qualquer com um valor super adversativo) cada vez mais sinto que não tem sentimentos, o que faz todo o sentido: quem tem tamanha auto-estima tem que ser um filho da mãe (desculpem-me o vocabulário) em algum lado. Não se preocupa se as coisas que diz e profere são portadoras de uma frieza enorme, não quer saber se fazer determinados comentários magoa quem o rodeia.
 Não me interpretem mal, adoro brincar e estou sempre a fazê-lo com os meus amigos, mas sou uma pessoa que precisa mesmo de seriedade e conforto, e ele falha nestes dois, principalmente quando não se apercebe que magoa pessoas que realmente se importam com ele.
 Conclusão? Vive no mundo dele e eu vou desistir de tentar fazer parte.

Pela manhã!

domingo, 25 de janeiro de 2015

 Na minha opinião, sabe sempre bem sair de casa cedinho, apenas com o pai, e ir comprar o jornal. Com este solinho, agarrar os óculos de sol, calçar as sapatilhas e arranjar o cabelo de qualquer forma é simplesmente sentar na esplanada a passar tempo. Tudo isto antes do reboliço do dia e da cidade. Porque cidade é sempre vivida e a manhã é, habitualmente, calma! Quem não gosta de descontrair? (Já é um costume antigo cá em casa! Momentos pequeninos. É disso que a vida é feita.)

Do cair e levantar!

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

 As pessoas têm diferentes maneiras de lidar com a dor e de sobreviver a esta. É usual ouvirmos a expressão: "Isto é mais doloroso do que aquilo". Não concordo. Não há diferentes tipos de dor, apenas intensidades diferentes que provêm da forma como enfrentamos o sofrimento. E com este assunto falo mais especificamente na dor psicológica. Sofrer é sempre algo ao nível dos sentimentos e da razão. Mexe sempre com o nosso Sistema Nervoso e com o nosso Bem-Estar, independentemente de sofrermos uma morte, uma separação, uma má nota,... No momento dói, e isso é o que realmente interessa.
 Ainda assim, sempre que estou triste ou dorida psicologicamente tento pensar positivo e a forma como enfrento a dor é sempre constatando que há pessoas em condições tão piores que as minhas que nem têm tempo para sofrer. Todavia, esta minha forma de lidar com a dor contradiz a minha opinião da dor. Sinto que a forma como trato a dor não me tem permitido sofrer de facto. E, como tudo, para conseguir encontrar o equilíbrio emocional precisamos de encarar todos os sentimentos da vida...
 Talvez devesse encarar aquilo que sofro de outra forma e permitir-me sofrer um bocado. Afinal não sou feita de cimento.

Uma palavrinha!

domingo, 18 de janeiro de 2015

 Porque provavelmente logo vou estar a nanar e porque vi isto num blog e achei imensa piada, decidi escrever a esta hora da tarde e partilhar este desafio que considero bastante engraçado.
 Estou a tentar vir aqui mais pontualmente, preciso mesmo de começar a escrever como antes, nem sempre arranjo a força ou as palavras certas mas prometo vir mais vezes e começar a fazer deste blog algo mais interessante...
 Agora o desafio:
... um objecto, seria o peluche-almofada
... um número, serio o oito
... uma direção, seria em frente
... uma palavra, seria exacto
... um animal, seria a alforreca (ou o ouriço-cacheiro)
... uma flor, seria o girassol
... um mês, seria Setembro
... um dia da semana, seria a quarta-feira
... uma hora do dia, seria a uma da manhã
... um clima, seria quente
uma árvore, seria a ginkgo biloba
... um líquido, seria a água
... um sabor, serio o chocolate preto ou peixe
... uma música, seria a One Day dos Kodaline
... um elemento, seria a Terra
... uma parte do corpo, seria a mão
... um sentimento, seria a amizade
... um lugar, seria a lua (ou a casa dos meus avós)
... um móvel, seria a cama
... um som, seria a voz da minha irmã
... uma cor, seria o amarelo (ou o cinzento)
... uma pedra preciosa, seria aquela que tem um significado
... uma forma, seria infinita

 Tenho pouca imaginação, mas deixo ao vosso critério explorar a vossa!

Beijinhos da Alforreca!

De hoje!

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015


 Hoje foi um dia de diversas emoções. Há coisas que realmente nos fazem felizes. Tive a minha competição, aquela que tão ansiosamente esperava, e a experiência é algo que não me tirarão nunca. Foi só emocionante, empolgante, recompensador, desde o esperar nas bancadas ao aguardar pelo "Aos seus lugares! PIIII!" até ao bater dos braços na água. Não sei em que lugares fiquei nas duas provas que prestei. Sinto mesmo que não preciso dessa compensação embora uma das minhas "resolutions" seja ficar bem classificada! Foi extraordinário.

 O único ponto negativo foi mesmo ver a minha irmã desiludida com ela mesma depois de uma prova de 100m Livres, os óculos escaparam-se da cabecinha dela quando esta saltou, obviamente não é muito agradável fazer as cambalhotas das viragens sem óculos ou nadar 4x25m sem ver nada... porém, toda esta situação só mostra como ela é forte, muita gente teria desistido ali mesmo, mas não a minha mana, essa continuou, e continuou, e continuou, à maior velocidade que podia. Sabe que não fez grande tempo, encarou essa realidade e, em vez de desistir, evitou a desqualificação! Para mim, a rapariga hoje merecia muitos mimos. Embora ela seja uma peste, eu vou dar-lhos.
 Todavia, a melhor parte foi completamente exterior ao meu habitual: foi rever aquele rapazito de quem tanto gostava, e mais uma vez digo: fosse ele dois anos mais velho e eu não o deixava em paz. Acredito que tenha os seus defeitos, mas, além de um corpo espectacular, tem uma atitude exemplar, um calmo jeito de falar, um olhar reconfortante e um cérebro inteligente. "Olá!" disse espantado quando me reviu quatro anos depois. Na próxima competição vou tentar falar mais com ele, até para o conhecer melhor. Tirando ele, estava lá o Pedro, amigo de um dos meus melhores amigos, que é super simpático e conversou um pouco comigo, embora tímido.
 Tive o apoio incessante das pessoas que me rodeavam, torceram por mim e disseram-me o que fiz mal e o que fiz bem! Pessoas assim não vos deixam felizes?

 Para acabar ainda melhor o dia, pude descansar, e pôr todas as matérias em ordem. Amanhã recomeça a semana e logo acaba. How lucky?

É isto!

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

 Chegou a semana da competição de Natação, estou tão mal preparada para isto, porém não consigo parar de pensar que, mais uma vez, o que interessa não é o que os outros vão ver, mas sim o que eu vou sentir. Estarei a fazer algo de que realmente gosto, junto de pessoas que sempre foram excelentes comigo, com o apoio da mãe mesmo que não esteja presente. Farei algo que mesmo falhando, me vou felicitar a mim mesma! Conquanto perca, a felicidade será inevitável.
 Estes próximos 4 dias vão ser cansativos, vão deixar-me toda dorida, sonolenta, a resmungar, mas acima de tudo nas Nuvens.
 Disseram os meus amigos querer estar presente, até ai sou sortuda, ainda que não possam ir visto que é numa manhã em que só temos aulas importantes! Mesmo assim não quero saber: O que conta é a Intenção, e eles estão cheios dela.
 E eu olho para a água e vejo infinitos. Vejo infinitos de felicidade, de paz, de sossego, de alegria. Vejo aquilo que vi desde miúda. Porquê ignorar aquilo que a nossa inocência sabia inconscientemente? Porquê evitar algo que é tão forte em nós? As pessoas não percebem, Com três meses já chapinhava na água, com três mesas já sabia ser feliz sem saber o que é a felicidade. Porquê chegar a certo e ponto e não saber o que nos faz bem? Oh, se eu pudesse, voltava a ser criança! Foi assim há tanto tempo?

Música!

domingo, 11 de janeiro de 2015

 Não é de todo o tipo de música que oiço regularmente, mas as letras de Kodaline - In a Perfect World - Full Album dizem-me mais do que estava à espera. Sou viciada em letras que me atraem e me percebem, e este albúm, sinto que foi feito a pensar em mim. Isto é extremamente narcisista, mas não esperava identificar-me tanto com tantas músicas simultaneamente depois dos Pearl Jam. Neste momento a Brand New Day e a Way Back When são aquelas que mexem mais comigo, mas já passei por todas elas, portanto...
 Aconselho vivamente que percam horas dos vossos dias a ouvir e a reproduzir este álbum do início ao fim e cada segundo de cada melodia que nos envolve nestas músicas!

Experiências novas #1

sábado, 10 de janeiro de 2015

 Hoje fui experimentar comida Tailandesa! Desde sopas de massa a caril, comida picante e confortante, na melhor companhia. Um restaurante cheio de qualidade e um atendimento mais do que espectacular com uma salinha de pés descalços e almofadas super confortáveis. Podia tentar arranjar mil e um defeitos naquele pequeno cantinho tailandês porém não há um único detalhe a apontar.
 De facto estar quase curada e saudável é muito benéfico para mim, todas as experiências são vividas com outra intensidade e mentalidade.
 Agora sim estou bem, e foi tão bom estar com a minha maninha emprestada mais velha!!

New Years Resolutions!

sábado, 3 de janeiro de 2015

1. Antes de qualquer outra coisa, desejo ser feliz, sempre que for possível;
2. Cumprir o objectivo do Frasquinho que vai ser cheio com as coisas que me vão animar e marcar;
3. Continuar uma alimentação saudável e com ela chegar ao meu peso saudável e livrar-me deste passado que podia ter evitado;
4. Entrar em contacto directo com comida vegetariana, ainda mais, na verdade aprender a cozinhar vegetariano;
5. Nos jantares, começar a tradição de contar o ponto alto e baixo do nosso dia;
6. Numa das competições de Natação ficar pelo menos uma vez nos três primeiros lugares;
7. Conhecer melhor alguns cantos de Portugal, mínimo duas vilas;
8. Manter as notas neste ano lectivo e acabar o ano com uma média confortável;
9. Ver o mar TODOS os meses;
10. Ir mais vezes aos meus avós;
11. Dizer às pessoas que gosto delas mais vezes;
12. Não evitar tantas vezes os mimos;
13. Entrar em Engenharia de Física no Porto ou em Matemática Aplicada em Braga;
14. Falhar o mínimo possível aos encontros de grupos que houver;
15. Concretizar a ideia da minha festa de 18 anos em minha casa, neste caso, com os melhores amigos que podia ter desejado;
16. Ver mais filmes com o John Travolta e o Morgam Freeman;
17. Ir ter mais vezes com o Ruquis e com a Mi; são os melhores primos à face da Terra!;
18. Dedicar mais tempo ao que gosto;
19. Ler uma média de 9 livros nas férias, tendo em conta que não li nada...;
20. Trabalhar na auto-estima e perceber que eu sou suficiente;
21. Encontrar alguém que me faça feliz, e trabalhar essa relação;
22. Quando entrar na Universidade, tentar estar com os meus amigos actuais de 15 em 15 dias;
23. Dar valor ao que a minha mãe faz, dar mais valor, ela esfola-se por nós, compreender isso;
24. Trabalhar a relação com o meu pai, tentar dizer-lhe toda a verdade quando conseguir;
25. Fazer voluntariado duas vezes ou mais, sozinha ou acompanhada;
26. Poupar dinheiro e ajudar a minha mãe a poupar, não será fácil mas não é impossível;
27. Limpar mais vezes a casa, talvez um dia deixemos de precisar da D. Manuela, a vida não está fácil;
28. Sempre que for passear tenho de levar a Polaroid, não deixar escapar momentos cruciais;
29. Escrever mais, tenho jeito e escrevo pouco; não me importa se não me leem;
30. Ler mais Jornais, já o faço, mas tenho de o fazer mais;
31. Tolerar mais, a minha mãe reclama comigo por causa disso;
32. No fundo, ser feliz e saudável é o que quero.

E as vossas? Já pensaram nelas!?