Os Globos e algo que não tem a ver comigo.

terça-feira, 26 de maio de 2015

 Não sou de todo rapariga de assistir a este tipo de programas e de gostar, contudo, ontem dediquei-me a assistir à cerimónia toda com a vantagem de poder passar os intervalos à frente. Vi desde os vestidos à entrega dos prémios, inclusive as actuações. Mesmo assim, o que eu mais gostei na cerimónia toda foram as pequenas introduções antes de cada categoria.
 Antes de entregarem qualquer prémio, a SIC teve a excelente ideia de ir buscar ao baú de recordações de '95 algumas das entregas de prémios mais importantes e merecedoras. E esta foi a parte que me derreteu, ver como alguns artistas envelheceram, mantendo na mesma todo o seu carisma e juventude. Assim, sinto uma necessidade enorme de referir a Eunice Muñoz e o discurso que me deixou com meias lágrimas nos olhos, ontem estava extremamente sensível, pois se há pessoa que tem talento é esta célebre senhora... (Se quiserem ver no vídeo, saltem para 2:01:54). E, além de célebre, super modesta. Então «fico com a certeza que o meu trabalho não era mau»? O trabalho era Óptimo! Só tenho pena que a voz dela esteja tão fraquita,... ai foi tão boa artista.
 De uma forma um pouco diferente, embora semelhante, também adorei ver o Joaquim de Almeida no filme Adão e Eva! «-Vai à m****! -Vai tu!». Excelente. E é outro senhor super modesto e impecável. Adoro o trabalho que ele tem vindo a desenvolver ao longo do tempo e adorei a homenagem que lhe fizeram!
 Poderia continuar a referir as homenagens feitas, não o vou fazer, visto que não gosto de me alongar muito. Em suma, achei muito sensato da SIC incluir estas pequenas homenagens no início de cada categoria!
 Caso queiram ver: XX Gala Dos Globos De Ouro

Do pai e dos exageros!

domingo, 24 de maio de 2015

 Eu adoro-o, garanto que sim, e sei bem que este pequeno detalhe faz parte da personalidade dele... Só gostava que não tivesse tanta incidência em nós, porque é, efectivamente, cansativo que, de todas as vezes que nos vem buscar a casa, haja um drama qualquer... drama este que acaba sempre por ser bem mais minúsculo do que julgávamos.

 «Preciso mesmo de ficar a trabalhar até muito tarde, leva-me as miúdas lá a casa para elas jantarem com a Madrasta e depois me virem buscar ao Porto.», diz o meu pai à minha mãe. O nosso final de tarde, que devia ser bem calmo, passa a ser uma correria infernal para chegarmos a casa do meu pai e este chegar às 20h15, ainda a hora do jantar, visto que o treino da minha irmã é até às 20h!
 «A tua Madrasta magoou-se muito no pé, preciso mesmo que te prepares rápido para quando eu chegar, tu ires preparar o jantar, eu vou buscar a tua mana, e depois do jantar levo-a ao hospital!» Pressa total para chegar a casa e me deparar com uma Madrasta que nem sabia que ia ter de ir ao hospital, porque simplesmente não queria nem precisava.

 E é assim todas as semanas, mais especificamente terças, quintas e sábados que é quando vamos nanar a casa do meu adorado pai.
 Ai pai, eu gosto tanto de ti, com todas as minhas forças, e até destes exageros, contudo, acho mesmo que precisas de acalmar. Talvez as mini-férias com a nossa Madrasta impecável te façam bem!

Mas este eu vou comentar!

quarta-feira, 13 de maio de 2015

 Ainda bem que aqueles *burros* (perdoem-me a expressão) fizeram aquele vídeo! Enterraram a própria cabeça e eu fico mais contente do que vocês podem imaginar...
 Passei por situações de cyber-bullying e não é nada bonito... Digo sempre que não foi nada de grave, porém falarem com a minha madrinha, e outros, em meu nome e dizerem coisas do género «Sou uma p***, se me quiser encontrar ligue para o escritório tal com o número tal» é grave, no mínimo... Mandarem-me mensagens com textos ofensivos e que me atormentaram durante muito tempo é grave, no mínimo... Fazerem com que me sentisse sozinha numa altura da minha vida em que estava a construir a minha auto-confiança é grave, NO MÍNIMO...
 Hoje assisti do início ao fim a um vídeo que anda a circular nas redes sociais, onde se pode ver um miúdo completamente cercado por um grupo, ainda numeroso, a levar murros e chapadas por algo que supostamente ofendeu a «chefe» do grupo, uma miúda de meia leca que nem falar direito sabia. Foi detestável o que fizeram.
 É a primeira vez que consigo ver uma coisa destas até ao fim e fiquei tão revoltada...
 Desde que entrei no secundário que tomei a iniciativa de falar e oferecer um ombro amigo aos miúdos que passam por isto. Ao longo destes três anos, foram várias as pessoas com quem fui ter e confrontei com a situação... infelizmente, só consegui ajudar mesmo uma rapariga, contudo, sinto mesmo que fiz a diferença na vida dos outros.
 Esta forma de resolver as coisas é odiável, minimizar uma pessoa àquele estatuto é desumano. Espero mesmo que, ao contrário da ajuda que me deram na altura, este miúdo tenha o apoio que é possível e que consiga livrar-se destes monstrinhos!
 É nestas alturas que sinto pena da sociedade em que vivemos, do mundo em que habitamos, porque podem ter a certeza que isto não ocorre só em Portugal! 

Peripécias e vizinhos!

sexta-feira, 8 de maio de 2015

 Aquele momento muito estranho em que o teu vizinho grita por ti e quando lhe perguntas o que se passa, ele apenas responde:
Estou aqui na minha varanda fechado há 10 horas e começo a ficar com muito frio, será que posso saltar?
 Tudo isto com um sotaque brutal! A minha mãe receosa que ele morra disse que não e eu fui logo oferecer-lhe os nossos cobertores. Coitado! Que dia. Uma história para a vida dele, e da nossa.