Torna-se difícil...

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

 Poucos são os que sabem o que sinto e o que comigo se passou... Partilhei-o por aqui quando este blog ainda era muito pequenino. É quando pensamos que está tudo resolvido, tudo curado que temos alguma quebra ou pensamento menos positivo.
 Cada vez mais considero o amor pessoal uma das coisas mais importantes de sempre, sem ele não conseguimos olhar-nos ao espelho e gostar do que vemos. Infelizmente, e sei que muita gente o sente, alcançar um patamar na nossa vida onde o que somos nos faz sentir bem é muito mais difícil do que me disseram que seria quando era pequenita e inocente.
 Lutar por uma figura, por um intelectual, por uma vida social que nos dê prazer, nos satisfaça, nos complete é desafiante, cansativo e esgotante. 
 É nos momentos em que me encontro sozinha com imenso tempo para pensar que chego a uma miserável verdade, cuja dia após dia aceito cada vez melhor: Nós nunca estamos cem por cento satisfeitos com o que temos.
 Por isso, ultimamente, tenho feito um esforço enorme por apreciar as pequenas coisas que fazem parte de mim.
 Isto é, se me sinto mal a nível físico e nesse dia todos os espelhos da cidade se uniram contra mim, penso no quanto gosto do que estou a estudar e dedico-me a ler e a fotografar o meio ambiente. Da mesma forma, se num determinado dia toda a comida me parece um bicho de sete cabeças e não consigo parar de pensar no que faz ao meu corpo, reflicto que não conseguiria sobreviver sem ela. Além disto, se por obra de todos os diabretes à solta começo a duvidar das minha capacidades cognitivas, obrigo-me a encarar as minhas classificações e a pôr em perspectiva o que eu realmente sei. Mais importante ainda, quando duvido do amor que a minha família por mim sente ou da amizade que os meus amigos partilham comigo, recordo todos os momentos felizes que me fizeram perceber que eles não gostam de mim pelas minhas notas ou corpo, contudo por todos os detalhes da minha personalidade.
 É mais difícil do que pensei encarar o dia-a-dia dentro da minha cabeça, porém, a cada dia que passa tento ver o mundo de uma forma diferente, tento encarar as minhas dúvidas e inseguranças com factos que me deixem feliz.
 Não há uma fórmula mágica para gostarmos de nós mesmos... apenas há o desenrolar de uma vida e o saber aproveitá-la.

6 comentários:

  1. E apreciarmos as pequenas coisas que a vida nos dá é o melhor que fazemos :)

    ResponderEliminar
  2. é verdade. gostar de nós próprias é uma aprendizagem... um caminho longo que é difícil de percorrer! força míuda!
    beijinho muito grande!

    giveaway no blog, participa!
    the-not-so-girlygirl.blogspot.com

    ResponderEliminar
  3. r: Espero que tenham ajudado e que tenhas um ótimo começo! :) Esqueci-me de uma dica importantissima (grande falha!) que é: nem sempre o fracasso (ou insucesso) dos alunos significa que a culpa é nossa. Esta é um dica complicada de seguir, até para mim é um pouco complicado ainda, mas temos de confiar em nós e nas nossas capacidades! Já agora, caso precises de algum material, diz-me e eu envio-te o que tiver por aqui :)

    ResponderEliminar
  4. acho que é uma aprendizagem também, sem dúvida, mas quanto mais confiante ficas, mais aprecias a vida :)

    www.pinkie-love-forever.blogspot.com

    ResponderEliminar
  5. É bem verdade, mas tudo não passa de uma aprendizagem. Temos que aprender a gostar de nós, afinal não há outro remédio! O problema é que o ser humano é um ser insatisfeito, falta sempre algo...

    ResponderEliminar
  6. Querida amiga Alforreca!! As saudades que eu tinha tuas, de te ler e por aqui estar :) Espero que esteja tudo bem contigo :) e adorei ler este texto!! Eu tenho uma dificuldade bastante grande em lidar com o amor próprio, mas a pouco e pouco lá nos vamos dando bem!

    ResponderEliminar