Ophelia

sábado, 30 de abril de 2016

 Acreditem ou não, ouvi esta música hoje pela primeira vez! Mais vale tarde do que nunca... Sempre desejei vê-los ao vivo, são uma banda muito calma, feliz e descontraída.

 Assim como esta música: alegre, envolvente e com uma letra bastante bonita, principalmente para os que estão apaixonados, creio eu!
 Por isso, deixo-vos o vídeo e apenas vos peço que aproveitem bem a melodia e a letra.

Nervosismo... Como lidar?

quarta-feira, 27 de abril de 2016

 Sou uma pessoa extremamente nervosa... Vivo as coisas sempre a trezentos à hora, tremo por tudo quanto é lado, choro quando atinjo um pico muito alto de nervosismo. Além disso, a minha mãe queixa-se constantemente que contagio as pessoas à minha volta com o meu mau-estar e que, muitas vezes, ficam nervosas comigo.
 Tento, todos os dias, mudar esse aspecto em mim, embora não seja nada fácil. Nas semanas que não mais preenchidas e tenho mais coisas a mudar-me a rotina, faço na minha cabeça mil e um filmes de forma a organizar-me da melhor forma, isto com 5/6 dias de antecedência.
 Claro está que já não é primeira vez que vivo um nervosismo intenso e, chegada a altura temida, passa tudo tranquilamente. Por isso, ultimamente, tenho tentado controlar o nervosismo de variadas formas...

  1. Nos dias antes ao que receio, vou cedo para a cama, para que o meu corpo possa relaxar tempo suficiente, mesmo que demore a adormecer ou até acorde a meio da noite... ir cedo para a cama é importante para o meu nervosismo, pois o corpo tem mais tempo para descomprimir;
  2. Bebo chá, que cliché dizem vocês, mas a verdade é que o chá faz mesmo muito bem ao nosso organismo. Fico exponencialmente mais calma e feliz;
  3. Saio à rua, nem que por 20 minutos, para dar uma corridinha, pois acredito mesmo que o exercício faz bem à alma e, corpo exercitado, mente mais descansada;
  4. Estou com pessoas que gosto, mesmo que tenha que estudar muito muito muito, arranjo sempre tempo, antes da altura stressante, para estar com as pessoas que me são chegadas. Rodeio-me de pessoas que me fazem bem, egoísta ou não, isto é um excelente conselho;
  5. Oiço MUITA música. Penso que este é perceptível para toda a gente. Música é o melhor calmante;
  6. Como bem, saudável e nutro o meu corpo, já por várias vezes o meu corpo me falhou nestas alturas, pois não compensava as energias que gastava com o nervosismo. Por isso, agora, tenho o cuidado de fazer uma alimentação o mais equilibrada possível, principalmente nestas alturas, para que o meu ser aguente toda a pressão que lhe vou fazer!
 Não sou nenhuma conhecedora nesta área, estou em Matemática (façam as contas!!!!), contudo, é assim que trato de mim... Estou também sempre à procura de novas formas de aprender a estar melhor comigo.
 Há alturas da vida em que precisamos mesmo de espairecer o máximo possível e pensar pouco. É assim que tento afastar-me do meu ser nervoso.

E agora vou embora. Hoje vai ser um dia bem longo!

Do Traje.

sexta-feira, 22 de abril de 2016


 «Lá está ela... Que chata! Sempre a falar do mesmo.» Creio ser isso que vos está a passar pela cabeça neste momento. Mas, sinceramente, se não falar disto, sinto que o meu coração vai explodir de emoção!
 Já ouvira tantas versões de como era trajar pela primeira vez, já sentira o orgulho de muita gente, já vira a cara de felicidade de muitas pessoas que me são chegadas, porém, a minha vez nunca mais chegava.
 É engraçado como as coisas mudam em tão pouco tempo. É curioso como esta semana, que me assustava tanto, acabou por ser uma turbilhão de sentimentos, emoções, lágrimas, sorrisos e memórias.
 Ontem, quinta-feira, dia 21 de Abril, fui comprar o traje. A loja é pequenina, cheia de coisas relativas ao traje por todo o lado, cerca de 6 pessoas a atender, montanhas de caixas de sapatos, emblemas em todas as paredes, máquinas de costura, alvoroço... Contudo, esta mesma loja tem agora, para mim, um significado inexplicável.
 Entrei no provador sem saber muito bem como se ia proceder tudo. Experimentei todos os números que andariam à volta do meu na saia e no casaco, até que acertei e, só isso, foi meio caminho andado para começar a sorrir feita parva. Calcei os sapatos e pensei como seria possível gostar tanto de uns sapatos que em nada são a minha cara!
 Foi então que chegaram as duas peças que tiveram mais peso na minha reacção ao trajar. A capa, pesada, preta, cheia de valor sobre os meus ombros, o apertar desta e o conforto à volta de todo o preto que já envergava. Todavia, o que realmente despertou em mim todas as sensações foi o colocar do tricórnio, assim que este encaixou perfeitamente na minha cabeça senti-me inundada por uma felicidade extrema, um orgulho enorme. Ali estava eu, com as minhas amigas a presenciar aquele momento, a partilhar a emoção com elas,... a receber conselhos de quem o envergou tão bem durante o ano. Estaria a mentir se dissesse que o meu lado mais sensível não foi desperto, por isso, vos confesso que as lágrimas me chegaram rapidamente aos olhos e o sorriso me rasgou as bochechas.
 O que mais desejo é envergá-lo sempre da melhor maneira, deixar orgulhoso quem me acompanhou durante este ano, caloiros e praxantes, e sentir sempre esta felicidade!
 A emoção, felicidade e ternura que senti ontem gritava-a ao mundo inteiro.

Já agora, feliz dia da Terra!!!!

O (quase) pedido...

quinta-feira, 14 de abril de 2016

 Terça-feira! Finalmente! Vai ser o dia!
 Será que é assim tão notório pelo uso extremo de pontos de exclamação como estou feliz?
 Pois, é verdade, daqui a precisamente 5 dias e 7 horas vou fazer o pedido de apadrinhamento de praxe. E não podia estar mais feliz.
 Digo finalmente, pois era suposto tal acontecimento suceder há 1 mês. Contudo, houve alguns percalços nessa noite e teve de ser tudo (muitooooooooo, diga-se de passagem) adiado.
 Bem, o que aconteceu teve de acontecer e, neste momento, já está bem guardadinho no passado. O que realmente interessa é que está para chegar o momento em que finalmente vou poder dizer tudo o que sinto ao maravilhoso praxante. É, de facto, uma das pessoas com quem mais me identifiquei nos meus quase (e quase mesmo) 19 anos de vida. Na verdade, no curto espaço de tempo que foi «a praxe», o doutor ajudou-me quando precisei, foi sincero comigo quando teve de o ser, animou um bloco inteiro em dias de chuva torrencial, incentivou-me a estudar mais e inspirou-me para ser melhor do que eu imaginava poder ser no curso que gosto.
 Não é apenas praxe, e acho que é isto que as pessoas não compreendem... Nos momentos em que estávamos caloiros e praxantes foram criados laços inimagináveis, super aleatórios e inesquecíveis, gerados momentos que vão servir para risota conjunta e lágrimas agarradas. A minha escolha estava feita na segunda ou terceira praxe. Desde o início que soube que queria ser assim, queria seguir o seu exemplo, no curso, com boas notas e desempenho excelente, e na praxe, saber ouvir, ser praxado e praxar, eventualmente.
 As palavras que nos disse ecoam constantemente na minha cabeça, mas essas guardo para mim. Sei que a minha escolha é a mais acertada. Só espero ansiosamente o momento em que dirá que sim! Isso SIM vai ser demais. (se aceitar, está claro).
 Por isso, está quase a chegar e já está tudo planeado. Oh meu deus! TERÇA-FEIRA!

6/4 #2

quarta-feira, 6 de abril de 2016

 Hoje é outra vez o teu dia, porque no fundo é apenas isso. O dia em que toda a gente, mesmo aqueles que nada te querem durante o ano, se lembra de ti, te manda um beijinho, te dá um abraço. O dia para ti. Tendo em conta que só vamos estar juntas à noite, no que depender de mim, a tua noite, o nosso jantar e sossego vão ser, mais uma vez, para recordar.
 A idade nada diz sobre ti mãe, és tão formidável, a idade é só um número! Já imaginaste? Se o calendário fosse organizado de outra forma até podias ter 100 ou, apenas, 10.
 Tudo o que escrevi o ano passado mantém-se exactamente igual, até podia ser eternizado esse texto.
 Gosto tanto de ti que até dói.
 Sei que olhas para mim e sofres por dentro, com medo de, como a minha avó, partir cedo demais e não acompanhares cada passo do meu percurso, mas não te preocupes, aproveita bem enquanto estamos juntas, as três.
 Celebra, sorri, abraça. E, lembra-te sempre como eu gosto de ti.

Há vida!

domingo, 3 de abril de 2016

 Eu sei, ando mesmo afastada... O meu cantinho parece abandonado e não sabem de mim há eternidades. Peço desculpa! Tem sido complicado, mas rapidamente vos ponho ao corrente de tudo e percebem a minha ausência.
 Passadas precisamente duas semanas de fazer e passar no exame de condução o meu pai voltou da Noruega com uma notícia que deixou uma felicidade muito grande no meu coração e no da minha irmã. A minha madrasta está GRÁVIDA! Como é óbvio, as nossas semanas começaram a ser bastante preenchidas, para trás e para a frente a tratar de numeradas coisas para o meu mano.
 Pensei que não poderia ficar mais ocupada e com o tempo mais reduzido do que isto. (o grande curso), o estudo, e tantas outras coisas, não pensei que fosse possível arranjar mais alguma coisa para me preencher o tempo... Pois não estava à espera do que aí vinha.
Bem, entre a praxe, o núcleo, a patinagem, o bebé novo, o CURSO
 A minha madrasta quer imenso que eu, EU, seja Madrinha do bebé!!!!
 Ora bem, é óbvio que aceitei, não só o papel, como também o carinho que o envolve.

 Eis a minha questão de hoje e que vou aprofundar noutro dia: Para ser madrinha tenho de ter o crisma... E eu tenho receio de não estar preparada religiosamente para ele, principalmente porque há muitas coisas na igreja e na religião com que não concordo!
 Estou com muitas dúvidas, contudo, não queria mesmo desiludir a mulher do meu papi... (ok, também não quero desiludir o meu papi!)


 E por aí, como vão as coisas?