Mudar para melhor, talvez.

sábado, 9 de julho de 2016

 Aconselho aos mais sensíveis a preparem-se bastante bem para a visualização deste documentário... na verdade, algumas cenas mexeram bastante comigo, deixando-me até à beira de lágrimas e com o coração nas mãos.
 Há cerca de 3 anos, creio eu, a minha realidade foi completamente abalada pelos animais destas filmagens. Mudei totalmente a forma como encaro a comida e aquilo que ingiro.
 A «necessidade» de industrializar tudo e mais alguma coisa fez com que nem a indústria alimentar seja um «local» seguro. Os pedaços de carne que nos chegam à mesa resultam de uma jogada muiiiiito suja para encher os bolsos de notas de algumas entidades. Servem-nos químicos e carnes completamente modificadas. Chegarem ao ponto de criar galinhas, vacas, porcos, cabritos nestas condições é extremamente preocupante e crudelíssimo. O sofrimento a que são sujeitos não é só desumano da nossa parte, como também nada razoável.
 Além disso, há uma quantidade considerável de povo que se questiona porque ganha resistência a certos medicamentos ou porque estará tão doente e fraca... bem, aquilo que comemos, dita o que somos, segundo o provérbio... comendo esta quantidade abismal de químicos e carne completamente alterada, o nosso corpo cria mecanismos de defesa e aprende a lutar contra muitos dos químicos presentes nos bons comprimidos.
 Não deixei de comer carne por causa do passado que muitos de vós conhecem, porém, também não cessei a sua ingestão, pois, felizmente, os pais da minha Madrasta criam galinhas e coelhos, com imenso espaço, luz, conforto e felicidade. Embora me faça imensa impressão comer carne, porque não consigo parar na sua inocência, não pratico o vegetarianismo ou pescetarianismo devido há frequente aquisição da minha Madrasta destes animais.
 Todavia, já quase não toco em carne comprada em grandes supermercados ou em talhos que não sejam de confiança.
 Um animal que não tem espaço para crescer e cujo crescimento está a ser manipulado ao ponto de ficar com ossos atrofiados? NÃO, obrigada.

5 comentários:

  1. Que bom teres partilhado este documentário :)
    Eu sou vegetariana há alguns anos e vegan há alguns meses e defendo esta escolha perante toda a gente, porque acho que é mesmo uma obrigação moral. Não vi o Food Inc., mas vi a versão censurada do Earthlings e mesmo assim fartei-me de chorar. O Forks Over Knives e Cowspiracy também são muito bons, se tiveres interesse.

    Kill Your Barbies

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma mudança que tento fazer a pouco e pouco! Se calhar vai ser mais fácil quando já não viver «às custas» dos meus pais. Porém, é uma posição que também defendo com unhas e dentes, embora não o seja.
      Vou ver esses dois, pois soam-me bastante interessantes e já mos tinham referido!!! Obrigada Nádia :)

      Eliminar
    2. Tão bom, Joana. Não sei se saberás, mas é muito raro ver alguém que come carne a concordar com os princípios do veganismo. Normalmente as pessoas não querem ficar mal na fotografia, e mesmo que no seu íntimo concordem (e acredito que a maioria das pessoas concordaria se isso não as obrigasse a pensar em alterar o seu estilo de vida) preferem adotar uma postura defensiva, passivo-agressiva ou de gozo. Tenho imenso respeito por quem, apesar de ainda comendo animais, admitir que não está certo. Eu fui ovo-lacto-vegetariana durante vários anos e também nunca inventei desculpas, até porque estaria a mentir a mim própria. Quando consegui, no meu tempo, deixei todos os produtos de origem animal. Desejo o mesmo para ti, no teu tempo, porque o principal já fizeste: refletiste :)
      Beijinhos!

      Eliminar
    3. Sei sim que são raras as pessoas que respeitam...
      Também tenho plena consciência que com o passar dos anos vou conseguir fazer as mudanças que quero e tornar a minha vida melhor e a minha consciência mais limpa, uma vez que me sinto mesmo mal sabendo certas coisas.
      Obrigada Nádia!!!
      Beijinhos :)

      Eliminar
  2. Cá em casa também evitamos carnes vermelhas e as brancas são todas adquiridas numa tia, que trata bem os animais. Eu não conseguiria deixar de comer carne, nem quero. Mas respeito quem tenha dietas e estilos de vida sem dependerem de animais :)

    ResponderEliminar