24.09.2002

sábado, 24 de setembro de 2016

 Di,
 Tenho muita coisa para te dizer, poucas palavras para o fazer. Estás a crescer tão rápido que nem tenho tempo de dar por ela. Continuo a olhar para ti e a ver a bebé rechonchuda que um dia foste, alegre e muito delicada. Estaria a mentir se dissesse que não me lembro da felicidade que senti quando disseste «Mana» pela primeira vez, que não me lembro quando caminhaste na minha direcção, que não me lembro como estavas entusiasmada e ao mesmo tempo triste por me deixares e ires para a creche. Podia dizer que era demasiado nova para ter todas estas memórias, porém, és tu: o impacto que tiveste na minha vida foi demasiado grande para algum dia esquecer o quão melhor começaram a ser os meus dias depois de apareceres nas nossas vidas.
 O amor que sinto por ti é enorme e reflecte-se nas coisas pequenas dos nossos dias: na minha preocupação com os teus assuntos, no beijinho de bom dia, no cozinhar para ti o que gostas e não gostas, no chatear-te a cabeça quando fazes algo mal, no defender-te quando injustos são contigo, no ceder e dar-te um abraço, nos olhares de cumplicidade, nas mensagens apenas a dizer que preferia estar contigo a estar onde estou, na compreensão e na brincadeira, nas parvoíces e no confiar-te coisas que a mais ninguém confio... Sei com toda a certeza que vais ser a pessoa de quem vou sentir mais falta quando as nossas vidas adultas começarem, já és e continuo a viver contigo.
 Os meus conselhos não podiam ser mais simples:
  • ri e chora, sem medos, ninguém tem de te proibir o sorriso, nem julgar-te pelo choro;
  • sê séria e divertida, há momentos para todo o tipo de postura, porém, não percas essa tua essência alegre;
  • acerta e falha, como no voleibol, não vás abaixo se a bola for fora, a próxima vai dentro, pode não haver uma 2ª, 3ª oportunidade em determinada situação, mas outras coisas surgirão, melhores talvez;
  • «sente tudo de todas as maneira», já dizia Álvaro de Campos, se não o fizeres, vais sentir que parte de ti se perdeu;
  • aprende, mas não tenhas medo de ensinar: todos estamos na escola da vida, é dar e receber...

 Nunca te esqueças da tua essência, do que significas para nós, da importância dos momentos pequenos. Ver-te crescer foi sem dúvida uma dádiva, um privilégio ao qual me agarro diariamente. Posso não o demonstrar muito ou até ser fria, por vezes, mas não há amor igual ao que tenho por ti.
 Espero que o teu dia tenha sido bom e que os 14 te tragam mais sabedoria, experiência, momentos, risos,...
 Um beijo enorme,
 A tua irmã.

11 comentários:

  1. Que texto tão docinho e amoroso! Parabéns à tua mana!
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  2. Que texto tão docinho e amoroso! Parabéns à tua mana!
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  3. Que texto tão querido. Muitos parabéns à tua irmã :)

    ResponderEliminar
  4. É por isso que queria ter uma irmã mais nova. Através das tuas palavras pareces muito orgulhosa na pessoa que é a tua irmã. Parabéns para ela, não só por fazer anos, como por ter uma irmã tão doce que escreveu esse bonito texto. Beijinhos

    https://recomecar-mariana.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode ser que um dia tenhas, nunca é tarde :)
      Beijo grande fofinha!!!

      Eliminar
  5. Crescem tão rápido! Eu ainda me lembro de o meu irmão nascer, em 2007, e ele agora já fez nove anos e está no quarto ano... que raio de macumba fizeram ao meu bebé, que já está quase um homem? Daqui a pouco sai-me à noite e traz-me uma cunhada, e eu a vê-lo de fraldas! xD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo isso que eu vejo quando ela faz alguma coisa nova, percebes-me bem! Beijinhos :)

      Eliminar
  6. Que texto adorável :) Parabéns para a tua mana :) E que a vossa cumplicidade nunca se perca!

    ResponderEliminar