Um concerto, uma sala.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

 Já faz mais de uma semana e não sei como não escrevi sobre isto antes... um concerto que me fez sorrir e cantarolar desde então: You Can't Win Charlie Brown. Uma banda constituída por seis portugueses que vieram no dia 20 de Janeiro apresentar o mais recente álbum Marrow numa das salas mais emblemáticas do país no Theatro Circo.
 Ouvi-os pela primeira vez no NOS Primavera Sound 2014 e prometi a mim mesma que não seria uma experiência única. Desde então que algumas das músicas deles fazem parte da minha lista de favoritas, principalmente a After December. Surgiu a oportunidade e a companhia ideal da minha amiga, de repente, tínhamos bilhetes na mão e estávamos à porta a tentar preparar-nos para ver magia à nossa frente.
 É impressionante como uma boa banda nos pode sempre surpreender. A interacção com o público foi incrível, o sentido de humor no ponto, o companheirismo entre membros da banda muito bonito de se ver e a música boa como sempre.
 A última música foi cantada juntamente com o público e gerou-se um ambiente muito acolhedor, calmo e de cortar a respiração. «All I wanted to give was this lonely sad song». E este verso ecoará na minha cabeça enquanto a minha memória não me falhar.
 Peço-vos um favor: se alguma vez os poderem ver ao vivo, não hesitem, simplesmente vão e aproveitem cada segundo.
 Obrigada 2017 por já me teres trazido um concerto tão único e cheio de sensações.

52 Semanas | 4: As minhas citações favoritas são...

sábado, 28 de janeiro de 2017


  • O sorriso é o silêncio mais bonito que existe. - Snoopy;
  • I'm gonna catch some sunlight and spread it all over the place. - Time for T;
  • Ganhar uma guerra é tão desastroso quanto perdê-la. - Agatha Christie;
  • Os números são a única linguagem universal - Nathanael West (esta tive de ir procurar quem a tinha dito!!!);
  • And if you're still breathing, you're the lucky ones - Daughter

 Sei que já estão 5 mas tinha mesmo de referir esta: «Porque gosto de ti todos os dias» - Mãe.

Universidades e defesas de notas

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

 Na terça dei por mim a ficar com dores de barriga, cabeça e quase a chorar devido à dificuldade que estava a encontrar a fazer um trabalho. Passo a explicar: tive 18 à minha cadeira favorita, História da Matemática, porém, o professor não dá notas acima de 16 sem que defendamos a nota que obtivemos. Nesta cadeira, a defesa de nota consiste na entrega de um trabalho sobre um desenvolvimento na matemática que não tenha sido abordado na aula. Contudo, nem é disto especificamente que venho falar hoje.
 Trabalhei arduamente o semestre inteiro para esta unidade curricular, esfalfei-me para apreender os conceitos e conteúdos dados pelo docente, correspondi às expectativas nas frequências e lutei para ter a nota que tive. E, por trabalhar arduamente, sou admitida a prova complementar: que bom! (notem o tom irónico da exclamação).

Nhami, Alfacinha!

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

 Para quem me conhece não é novidade que adoro cozinha vegetariana e explorar todo esse mundo. Gosto mesmo de ir para a cozinha e experimentar ingredientes novos, alimentos diferentes, temperos arriscados, com o coração e a imaginação a palpitar. Porém, não o sou, nem tenciono sê-lo, uma vez que aprecio imenso peixe e não penso que fosse capaz de parar de o comer.
 Mesmo assim não perco uma oportunidade, nem recuso um convite para ir almoçar ou jantar a um restaurante vegetariano, seja este uma novidade ou um sítio frequente. Na passada quarta-feira, surgiu a oportunidade de ir experimentar um sítio novo super bem acompanhada. Nas duas grandes cidades há imensa oferta de menus biológicos, saudáveis, bonitos e deliciosos, por isso, fico mesmo contente quando, por cá, descubro sítios alternativos aos que visito regularmente.

52 Semanas | 3: Coisas para se fazer no Calor

sábado, 21 de janeiro de 2017


  • PRAIA, nem devia precisar de dizer muito sobre isto, uma vez que areia e mar são só duas das coisas que me fazem melhor.
  • Colher Vitamina D, sair de casa, caminhar um pouco, correr, fazer abdominais ou agachamentos ao ar livre, simplesmente estar lá fora.
  • Beber um sumo natural com amigos num café.
  • Molhar a cara a cada 5 minutos se estiver absurdamente quente.
  • Dormir apenas de roupa interior, só com top de alças e mini calções ou mesmo sem nada!! (Claramente estes dois últimos eram mais brincadeira.)

Inspira, expira.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

 Ando carregada de um positivismo que tem sido difícil conter dentro de mim. As pessoas vêem-me por aí aos saltos («Joana, vi-te a saltitar na ciclovia, devias estar muito feliz!»); perguntam-me, porque estou sempre a sorrir; assumem que todos os testes me correm bem, porque saio animada da sala; pedem-me conselhos sobre as coisas mais aleatórias de sempre, porque sem dúvida que eu sei a resposta. A verdade é que realmente ando com o coração cheio. Os meus dias têm sido carregados de imprevistos e coisas combinadas, agenda sempre cheia, momentos bonitos, conversas longas e educativas, sorrisos sinceros e gargalhadas intensas, chás bem quentes para a alma, refeições reconfortantes, as aleatoriedades da minha irmã.

Reflexão: Remember Me

domingo, 15 de janeiro de 2017

 Este é principalmente para os que já viram o filme, talvez fale do final e, se ainda não viram, convém que não leiam, para que o factor UAU esteja presente quando tiverem oportunidade de ver.

52 Semanas | 2: Eu nunca...

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

  • Fiz uma directa. Aliás, só de pensar no conceito, o meu corpo fica cansado.
  • Bebi cappuccino, caffé mocha e todos os semelhantes... na verdade, já ter bebido meias de leite é algo extraordinário. Estas bebidas não me atraem.
  • Vi os U2 ao vivo apesar de já ter tido bilhetes de um concerto deles na mão.
  • Assisti a um debate de políticos até ao fim. Não me orgulho 100% disto, mas, ou adormecia profundamente, ou ficava irritada por andarem sempre à volta do mesmo.
  • Comi hamburgueres do McDonalds, além do McChicken, e não tenho qualquer curiosidade para experimentar!
 Se estão a fazer também, por favor, deixem os links para eu dar uma espreitadela.

Aos 3 é de vez #5

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

 Estamos de volta a esta rubrica depois de inúmeras publicações pessoais. E este será sobre 3 contas do Snapchat. Aquelas das quais não perco um snap, uma foto, um momento, sem ser claro das pessoas do meu dia-a-dia.
 Devo dizer-vos que foi mais difícil seleccionar 3 do que esperava. Talvez por seguir tanta gente e realmente gostar de ouvir o que têm para nos ensinar e dizer. Sempre apreciei aprender também com as vivências dos outros. Assim, aqui fica o meu top 3 (cliquem nos nomes para verem o snapcode de cada conta):

52 Semanas | 1:Coisas que me fazem ficar feliz

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

  1. Acordar com a luz matinal a entrar pelos buraquinhos das persianas e a preencher o quarto com uma energia vibrante.
  2. Ouvir a minha mana a sorrir.
  3. Patinar, correr, exercitar apenas.
  4. Chá de todos os sabores, mas principalmente os da marca yogi tea.
  5. O mar, as ondas, a areia, as gaivotas, a brisa, os guarda-sóis, as toalhas, as raquetes, os biquínis giros e floridos: a Praia.

Andamos assim tão distraídos?

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

 Quando é que deixamos de prestar atenção às pessoas? Às suas expressões? À sua forma de ser?
 Andamos tão concentrados no nosso dia-a-dia, nas nossas tarefas, no nosso bem-estar que nos esquecemos de olhar para o nosso colega e garantir que ele está bem ou que está melhor desde a última vez que o vimos.

Bem-vindo 2017!

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

 É com um sorriso enorme que escrevo este post. Não dou muito valor à mudança do ano, mas adoro celebrá-la com a minha mãe e a minha irmã e sentir que entrámos em condições no ano acabadinho de sair do forno.
 Na verdade, uma das coisas que me faz dar mais atenção a esta mudança são as inúmeras publicações que vocês fazem e as retrospectivas que tanto escrevem, adoro ler cada palavra vossa, ver todas as fotografias que tiraram e ouvir as vossas músicas favoritas. Deixa-me tão feliz, chegar à blogosfera e ver mais um texto sobre o que o ano que passou vos trouxe, ensinou e ofereceu.
 Para este ano tenho uma série de desejos, mas, principalmente, que não haja tantos atentados, nem tantas mortes. Algo que me deixaria mesmo muito contente e satisfeita era o caminhar a passos largos para uma paz sincera e quase plena. 2016 foi muito intenso neste sentido. Por isso, peço apenas que 2017 seja mais benevolente neste sentido.