Andamos assim tão distraídos?

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

 Quando é que deixamos de prestar atenção às pessoas? Às suas expressões? À sua forma de ser?
 Andamos tão concentrados no nosso dia-a-dia, nas nossas tarefas, no nosso bem-estar que nos esquecemos de olhar para o nosso colega e garantir que ele está bem ou que está melhor desde a última vez que o vimos.
 É verdade que temos de estar bem e cuidar da nossa saúde... quem me conhece sabe perfeitamente que me dedico bastante a melhorar o meu interior, a exercitar-me, a estudar para obter o futuro que gostava de ter... quem me conhece sabe que trabalho afincadamente para não me deixar ir abaixo, para estar positiva, SER, que faço tudo ao meu alcance para estar saudável e ter forças para enfrentar mais um dia.
 Pergunto-me inocentemente se não devíamos fazer o mesmo pelo próximo?
 Defendo também que só podemos ajudar até onde nos permitem, se fazemos de tudo para perceber se a pessoa está bem ou não e esta nos garante estar, resta-nos acreditar, mas quando é que tentámos o suficiente? Quando é que devemos parar de perguntar a alguém se está bem ou se precisa de alguma coisa?
 Quando uma pessoa está mal e quer que a deixemos um pouco sozinha é diferente. Porque neste caso a pessoa não nega a nossa ajuda, uma vez que já admitiu estar mal, apenas nos pede um bocadinho de tempo para pensar e processar.
 Contudo, quando a pessoa está mal e finge a todo o custo estar bem, quando é aceitável parar de perguntar?
 Isto é algo que me intriga mesmo... Como é que eu não reparei que ele estava mal? Quando é que isso aconteceu? Devia ter dado mais de mim, devia tê-lo ajudado melhor, devia ter perguntado mais vezes.
 Muitas vezes vestem uma máscara protectora, mas isso não significa que não precisem de carinho, de alguém que queira saber, de quem pergunte «Ei, estás bem?».
 Peço-vos do fundo do coração, invistam mais nos outros também. Invistam em vocês mesmos, mas não percam uma oportunidade de fazer o vosso amigo, colega, conhecido, um bocadinho mais feliz. Às vezes um sorriso aberto chega! Não andem distraídos e não deixem que seja tarde de mais.

11 comentários:

  1. Dica amigável: cuidado com a formatação do texto, vem ao teu blog ver a desnivelação deste post. Espero ter ajudado. Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Corrigi um pequeno erro no parágrafo a seguir à foto. Porém, se a questão é o espacinho que dou no início de cada parágrafo, é um detalhe de gosto pessoal e de orientação durante a escrita. Mas obrigada pelo comentário :)

      Eliminar
  2. Eu própria sou esse tipo de pessoa a pessoa a quem perguntam "Estás bem?" e respondo sempre "Sim está tudo bem" mesmo quando o mundo me está a cair aos pés. Primeiro, não gosto de preocupar. Segundo, não me gosto de repetir (por já ter falado do assunto anteriormente). Terceiro, não gosto de parecer "vítima" e "vulnerável". Um defeito? Talvez. Se há dias em que expludo e tenho de contar tudo aquilo que está dentro de mim? Verdade. Mas sou assim, acho que não consigo mudar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sei como é ser este tipo de pessoa, acredita que sei, porém, se calhar devíamos estar mais receptivos a que se preocupem e que saibam o que nos vai na mente...

      Eliminar
  3. Confesso que pertenço ao club de pessoas que afirma estar sempre bem, quando a verdade muitas vezes é outra. Como estou habituado a servir de âncora para outras pessoas, não gosto de dar a parte fraca. Tenho sempre medo que achem que me estou a vitimizar, e como tal, acabo por ficar calado. Talvez por isso é que prefira partilhá-lo no blog, em vez de pessoalmente. Mas sim, é preciso estar atento aos sinais. Nunca se sabe o que se passa na cabeça/vida das outras pessoas :)

    Ricardo, The Ghostly Walker.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O blogue é sempre um refúgio, é verdade, porém, todos temos problemas e as pessoas deviam aceitar isso, porque, apesar de diferentes problemas, nós temos direito a não estar sempre bem, mesmo que por dois ou três segundos apenas.
      Só tenho medo do quão difícil pode tornar-se interpretar alguém se essa pessoa não for minimamente transparente :(

      Eliminar
  4. Nós não podemos adivinhar quando uma pessoa não está bem, Joaninha! Espero mesmo que estejas bem <3

    ResponderEliminar
  5. Adorei. Obrigada, Joana! 😊
    Beijinho grandes e muitas felicidades! 💓
    Chamam-me Pequenita: https://chamammepequenita.blogspot.pt

    ResponderEliminar